Alento

Data 07/05/2015 17:33:34 | Tópico: Poemas

Não sei mais se acho assim tanta graça
Ficar alimentando os pombos na praça
Próxima da minha velha e rústica casa.

Não tenho prazer ao acender um cigarro
Ou quando eu vou dar um passeio de carro
Tudo me parece falaz, fútil, fugaz e caro.

Nada me traz felicidade ou contentamento
Nem mesmo quando velejo ao sabor do vento
Não tenho mais pressa. Meu caminhar é lento.

As flores perderam a cor, o céu ficou cinzento
As ervas perderam o olor, meu olhar o alento,
Pois me falta o teu amor, meu primordial... Alimento!



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=292616