https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Alento

 
Não sei mais se acho assim tanta graça
Ficar alimentando os pombos na praça
Próxima da minha velha e rústica casa.

Não tenho prazer ao acender um cigarro
Ou quando eu vou dar um passeio de carro
Tudo me parece falaz, fútil, fugaz e caro.

Nada me traz felicidade ou contentamento
Nem mesmo quando velejo ao sabor do vento
Não tenho mais pressa. Meu caminhar é lento.

As flores perderam a cor, o céu ficou cinzento
As ervas perderam o olor, meu olhar o alento,
Pois me falta o teu amor, meu primordial... Alimento!


Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
400
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
4
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 07/05/2015 18:43  Atualizado: 07/05/2015 18:43
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29356
 Re: Alento
Alentos que vem dos sentimentos murmurando pelos cantos onde o planto não se renega a um pulso, que a tristeza se galgueia nos ventos.


Enviado por Tópico
TrabisDeMentia
Publicado: 07/05/2015 20:05  Atualizado: 07/05/2015 20:05
Webmaster
Usuário desde: 25/01/2006
Localidade: Bombarral
Mensagens: 2265
 Re: Alento
O amor alheio é uma comodidade rara mas bastante económica.
Vai contra a lei da oferta e da procura.
Ainda assim o povo passa fome.
Desconfio que é porque quer.

Um abraço :)