Éramos Dois... (Dueto de Gyl e Mary Santos)

Data 06/07/2015 20:52:43 | Tópico: Poemas

Eu era apenas um moço
Galopando forte corcel
Por vezes chegava ao céu
Outras no fundo do poço.

era eu apenas uma menina
querendo ser passarinho;
no céu ficar pendurada
vendo d' onde
nasce o sol
e pra onde ele
se esconde


Achava a vida uma graça
Amava música e a poesia
Amanhecia junto do dia
Colhendo tulipas na praça.

saltar dum aviãozinho teco-teco
pra arrebentar uma a uma
as linhas do horizonte
nunca saltei de para-quedas
o que muito quis
bicicletas tentavam
me fazer feliz

Sim. Eu era apenas mais um
Outro no mundo de Deus
Não tinha nada em comum
Com epicuristas e os ateus.

sempre quis ser pássaro
misturava pipas com nuvens
com laços nos cabelos
e babados na saia...
amava coisas que seguiam pro alto
acontecia que o chão era mais forte
e sempre me tinha nos braços

Trazia o chicote e as esporas
Afiadas para minha caminhada
Singrei mares, ruas e estradas,
"Everestes" e outros vales afora.


pergunto-me agora
se fui boa moça
ao abrir trilha na mata
ou quando me deixei ser levada
em águas de cascatas
ou quando me atirava
do alto da ribanceira
pra mergulhar no rio
rindo, rindo
até perder o fôlego


Um dia eu pensei em ir embora
Queria voltar para o lar materno
Depois de ter vivido num inferno
Que é a vida que vivi e vivo agora.

perdi baladas, bailes dançantes
mas não perdi o romantismo
em meio a tantas riquezas
em noites de pescaria
ouvindo chiado de bichos
e observando estrelas
se quedando pro outro lado do infinito


Eu era muito mais que um moço
Não aquele que teve tudo na mão
Um jovem general que era corso
Por muitos conhecido como Napoleão.

pra tudo existe um tempo
e foram parar nos livros, as aventuras
surgiram também os compromissos
quebraram as asas
mas o chão provou ser bonito

Eu era apenas um sonho juvenil
Num dia claro de um sábado tranquilo
Hoje sou folha seca num dia de abril
Na verdade não sou isso nem aquilo.

porém pra 'mulherzinha' fui decepção:
nunca aprendi a bordar
nem a coser
nem a cozer
o mais feminino que aprendi
ser
foi fazer
e dá amor...
e um pouco dest' escrever



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=295866