no final, foi o vento.

Data 14/07/2015 03:36:32 | Tópico: Poemas

banha seus cabelos com água de cheiro
por cima das horas e o macio do espelho
enaltece a tudo que eu quis
interrompa o relógio uma vez mais


inaugure no caderno dessa noite
um quê de triste no vermelho
um tratado sobre pecado
me repouse em interrogações no teu peito


invente voar no mesmo céu
do meu quarto do meu tempo
até que o horizonte seja um ponto em seu olhar

multiplica o verbo o vento
brinca de dia em todo calendário
deixando minha pele em branco


morra comigo aos poucos
assombra a realidade, queime.
habita o sonho, exato.

e não me dê tudo de bom de uma vez.



Vania Lopez


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=296296