Tudo é Silêncio

Data 14/07/2016 11:00:46 | Tópico: Poemas

Quero do fruto proibido
a desordem natural
espero a vida num labirinto
mas não vejo a entrada
não vislumbro uma saída

Bebo da fonte
todas as vontades
sacio o meu desejo impuro
mato a minha sede agreste

O extermínio
é a força dominadora
ouve-se o último tinir do vento
na revolta do meu corpo
não sinto a minha alma

O frio é agora um manto seco
agruras de outros tempos
a sua incompleta figura
calou-me
amortalhou-me
sufocou-me

Segui numa eterna procura
fui calamidade na noite
agora tudo é folhagem dispersa
tudo é silêncio
tudo é nada

A madrugada chega flamejante
e com ela
andrajo
pedinte
andarilho pelo tempo

Pinta grafitis nas paredes
agitam-se sombras loucamente
inicia-se a fuga
junto ao ventre imaturo

O desejo escorre
como restos de pingos de chuva nas vidraças

No rio afogou-se o último suspiro da noite

Dolores Marques


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=311733