Observador do Cotidiano

Data 09/09/2016 22:28:27 | Tópico: Sonetos

Martírios de um cotidiano vazio e selvagem
Cravado na alma do mundo que o presente
É o medo em cores refletido na imagem
Do tempo que o amanhã então é ausente

Pálido sorriso pela face que o torna miragem
Esperança morta do futuro perpétuo distante
Lastima a dor com o olhar refém à paisagem
Que o prende ao fictício colorido do instante

Imperfeições cobertas pelo disfarce do manto
Em doce ilusão quando o olhar cego e em vão
É tardio a tudo que em duração lhe foi engano

Pela realidade que escondida por trás do plano
Derrete-se pela razão ao chorar de emoção
Pelo destino que o fim não lhe foi humano



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=314007