Coração Alado

Data 17/02/2017 18:51:36 | Tópico: Contos -> Minimalistas


Abriu a janela quando a madrugada se vestia de púrpura.
Ergueu a face e recebeu a brisa e a cortina de cabelos voou liberdade infinita;
um quadro se pintou no tempo quando ela percebeu que também era universo.
Grávida, instantaneamente, de tanta luz, quis sorrir e sorriu.
E aquela vontade louca de soltar fitas e laços tomou conta de si levando-a a desabotoar,
meticulosamente, o peito, até fazer o coração saltar, como um pássaro entranhado
na consciência de voar, para arrebanhar a felicidade, antes dali, nunca vista.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=320251