Traduções

Data 09/10/2017 11:37:12 | Tópico: Poemas





Me utilize numa equação;
talvez, até, numa solução.
Deixe-me diluir neste lugar;
por favor, me deixe acordar.
Perdi o trifosfato de adenosina,
levantei e me deixei na esquina.
Me traga um chá de repolho,
coe minha vida, fure meu olho.
Pitágoras calcula minha vida.
Lennon, há uma saída?
Lucy está com os diamantes?
Uso genética e sigo adiante.
Conhecimentos que não conheço;
anoto tudo, mas esqueço.
Jogue-me numa probabilidade,
calcule a minha solubilidade.
Os gráficos mostram a velha
sensação de desconforto...
Seguirei a relatividade geral
até que eu seja morto!
As minhas leis naturais
descansam em meu cansaço.
A ciência, meu prazer eterno,
está permeada de mormaço...






Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=328725