Demagogia colorida, cidade das balas

Data 30/03/2018 06:27:17 | Tópico: Poemas -> Crítica

Jornais, que limpam o sangue
Que se espalha pelas ruas
Inocentes, desarmados
Basta estar vivo pra ser alvejado
E tudo vira números, em monetização
Ou, em demagogia eleitoreira

Devora lagostas, em sua hipocrisia
De cima de sua cobertura, só vê
A imensidão do mar azul
E o céu limpido, arco iris de luz
Carros oficiais
Seguranças que não acabam mais

Como poderia assim saber e sentir
Se vive num mundo de sonhos
Abandone a sua vaidade, suba o morro
Entregue a vida nas mãos do acaso
Feito gente, conte com a sensatez
Do bandido, aquela que você diz que ele tem

Viva como um morador
Da cidade do belo caos
Trabalhe e morra feito um condenado
Seja prisioneiro, deite no chão
Porque o fogo é cruzado
E a bala não vê, já é hora do toque de recolher

Quanto sangue derramado
Tragado no seu baseado
Quando foi a ultima vez
Que vossa excelencia foi esmagado
Como sardinha, enlatado
As sete da manhã, no calor do trem

Nunca será assaltado,
E nunca ficará sem salário
Parasita imundo, que não representa o povão
Mas, já é ano de eleição
Continue espalhando mentiras
Em sua própria corrupção


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=334673