Tanto pesar o fado me depara

Data 20/12/2018 00:15:50 | Tópico: Poemas

.




Tanto pesar o fado me depara
Que faz brotar o pranto dos meus olhos,
Ao evocar a mais linda alvorada,
Neste penar, neste meu mar de abrolhos.

De âmbar e azul reluz toda a memória
Pelos umbrais do meu anoitecer,
Onde se oculta toda aquela história
Que uma alvorada outrora viu nascer.

Alvor de arminho nos meus doces dias,
E quando a neve de algodão ornava
A terra do jardim do amado lar.

Sonhos sem fim nas claras melodias
Daqueles universos que habitava
Antes do meu terrível naufragar.




Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=341093