Não há cura para mim, em mim

Data 04/07/2019 15:03:46 | Tópico: Poemas





Nunca fui motivo de existência.
Ninguém me culpe por nada merecer.
É a minha cura tantas vezes.
Concluo que não há cura
para mim, em mim.

Gaguejo ilusões para os anos que me sobram.
Deixei tanto sonho ignorado.
Mal consigo manter,
com o peso de ser
os olhos abertos, por
nunca me deixar tocar por pouco.
Tão menos pelos outros.
Tampouco em estranhos prazeres me perco.























Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=344511