Olvido

Data 31/03/2020 17:02:40 | Tópico: Poemas

É que quando estou perdido
Nessas águas que eu não bebo
Eu me sinto um estrangeiro
Me afogando no Pacífico.

Nos teus olhos eu esbravejo
Meu farol é o teu sorriso
Repousando nos teus seios
Sou implume, sou menino.

Teu perfume eu não sinto
Mas em sonho o percebo
Neste meu peito mancebo
O amor que não te minto.

Se um dia ( Deus permita)
Eu pisar no Paraíso
Que um anjo me assista
Implorar para estar contigo.

Pois morada em ti eu faço
Em minh'alma e pensamento
Minha alegria, meu contento
Somente quando em teus braços.

Meu amor, minha querida
Eu rabisco sonhos e teço
Sonhos para toda a vida
Pois jamais de ti... esqueço!






Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=348996