Códigos #.#.#

Data 10/06/2021 00:37:15 | Tópico: Poemas

.
Códigos




Nada mais me pertence, nunca nada foi meu,
Só as ilusões, todas infantis e miseráveis.
Mas, hoje, sei, nunca fui dono de nada
E minha consciência, talvez, não exista.

Talvez a angústia de sentir essa angústia,
De mandar à merda esse corpo
E todas as suas ridículas exigências,
Talvez seja um código soletrando a resposta.

Mas o que resta ao analfabeto,
Senão todo o mistério a ser decifrado?

A vida me interroga, crudelíssima, e,
Parece, a linguagem é essa dor abrasiva,
A rasgar o peito procurando a alma,
A alma de um condenado aos infernos.

Então, o que me pertence são as labaredas,
A sublinhar minhas frases leucêmicas,
No interior de um livro comido pelas traças,
Um livro que se compõe há mais de 57 anos.


Milton Filho... 07/06/21



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=357624