Fragilidades

Data 27/07/2021 09:24:22 | Tópico: Poemas


Sou tão pouco

agora.

Vejo olhares que passam por mim

como quem lamenta o fardo da terra árida.



Todas as árvores que plantei

estão cobertas de flores.

Aparo-lhes os ramos secos

só eu e o meu reflexo diluído



muitas vezes inapta

na solitária tarefa de nelas recortar

o ângulo mais perfeito do amor.



G.


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=358237