DESIMPORTANTE

Data 13/01/2022 14:34:57 | Tópico: Sonetos

DESIMPORTANTE

E eu, que não sei nada; não sou nada,
Vivi o amor estranho dos erráticos…
Não me ceguei a lábios quase apáticos,
Em meio a uma afeição desencontrada.

Fui quem atravessou a madrugada
E vaguei sob as sombras dos lunáticos:
Aceito outra miséria em termos práticos
D'aquela solidão enamorada!

Embora eu queira muito, tive pouco 
De quanto tive em paga dos carinhos,
Que tanto esperdicei por meus caminhos.

E mesmo à vista grossa; ouvido mouco,
Me fazes encarar a todo instante
Minha presença a ti desimportante…

Betim - 28 12 2020


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=361066