Quando as manhãs não acordam

Data 21/03/2022 12:33:06 | Tópico: Poemas

Olho através das manhãs que ainda não acordaram
o silêncio escorre na vidraça
em anseios de marés cheias
na claridade branda
dos oceanos que invento.

As estrelas tremem baças
tardias
gaivotas dormem
em molduras vazias.

A luz rumoreja
frágil
e parte
e agoniza
sob cinzas de céus de outono

e no olhar do horizonte nascem
e morrem
os sóis onde voam as areias
dos meus castelos feitos de pássaros
sem beirais
e de luares
intemporais.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=362320