Comentário a "disfarce." de Almamater

Membro desde:
6/11/2007 15:11
Mensagens: 2029
Este comentário também se encontrará disponível no perfil do utilizador na caixa de comentários do poema.
O poema, na sua íntegra, estará legível após o comentário.

Estás-te a esticar... lol...

Há uns tempos escrivinhei um muito curto, que teve alguns comentários chamado "a farsa do disfarce", que refletia um pouco sobre isto, ou pretendia a reflexão (passo a publicidade).

Com um estilo muito teu foste longe na abordagem do tema, no meu muito curta (talvez em demasia).

Nos primeiros 3 versos, expões como é difícil percebermos se somos impostos, ou, pior, autoimpostos nestas circunstâncias que não nos agradam muito.

A presença.
O sorriso.

Agradou-me muito a "...roupinha de sábado..." em oposição (propositada) ao (meu) fato de domingo. Uma metáfora, para mim, ligeiramente diferente, mas com muito efeito.

Também gosto da diferenciação de verbos.
Ser e Estar, em inglês é escrito na mesma forma. Para eles não vai ser fácil traduzir fidedignamente estes versos e perceber as nuances na leitura.
Estar tem um tom local.

Ser tem-no mais global. Acho.

Estar é menos metafísico. Ou mais físico.

A última quadra tem um conflito em mim.
Ando adepto do chamado "sorriso forçado"...
Já fui um acérrimo ofensor (ou seja lá o que for o contrário de defensor).
Mas um dia escrevi algo do tipo "o sorriso que começa em ti acaba nos outros". E tenho reparado que no trabalho dá imenso jeito. Depois dei por mim a sorrir, sem forçar, por tudo e por nada. [difícil!]

Por isso, talvez seja eu que ando a me esticar muito, ultimamente.

O sorriso disfarça muitas coisas. Disso sabem os palhaços, por exemplo.

Depois há isto, claro: "...há um sulco arado na sola dos meus pés deixado pela vida..."
arado de ar?

Abraço
Sorriso em ti


disfarce.


trouxe-me até aqui,
por arrasto.

ou arrastada, nem sei bem

colocado o melhor sorriso, vestida a roupinha de sábado, trouxe-me até a esta festa

está tudo preparado,
a mesa, a doçaria, os lugares acertados, as pessoas certas, a sala paira no vazio de tudo isto. mas cá estou. e isso é o mais importante, que estou.

há um sulco arado na sola dos meus pés deixado pela vida,
pelas marcas, pelo meu Ser...
atrás de mim...
perseguindo-me.

o meu rosto tem o milagre de um Sorriso.
que também está.
pendurei-o com elásticos do cabelo.
ninguém nota, ninguém vê... para quê?

basta saber que está no sítio certo.



Leia mais: https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=372779 © Luso-Poemas

Criado em: 28/5 7:20
Transferir o post para outras aplicações Transferir







Links patrocinados