https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

O AMOR QUE INVENTO/INVENTAS (DUETO)

 
O AMOR QUE INVENTO
EDIL FRANCI e CLEIDE YAMAMOTO


O amor que invento
É feito de brisa e de vento
Tem a força do furacão
Não busca o arrependimento
Não balbucia lástimas e lamentos
Pois é forjado no fogo da paixão.

O amor que inventas
A minha poesia reinventa
Acolhendo toda tua emoção
Que de beleza não se ausenta
E em nós dois fundamenta
A mais verdadeira inspiração.

O amor que invento
Tem o concreto pensamento
Que teima em voar pelos espaços
Acende seu lume no firmamento
É lenitivo, profilático ungüento
Que reconstrói meus pedaços.

O amor que inventas
Aos meus versos acrescenta
A liberdade, de em céu azul voar
Com a alma nua e de amor sedenta
Reconstruir um horizonte magenta
Para o poema renascido, pousar.

O amor que invento
Tem mais que simples sentimento
É caminho que não tem fim
É feito de um eterno momento
Da fonte que sacia o coração sedento
E que jorra límpido de dentro de mim.

O amor que inventas
Com leveza, a mim se apresenta
Em forma de páginas infindas...
Como folhas de brisa, que venta
Um sentir do coração, que reinventa
As linhas duma poesia, por vir ainda.




Beijo, meu amigo
Cleide

É com emoção que publico esse dueto, feito com uma dileta amiga, CLEIDE YAMAMOTO, que com seu encantamento, deu mais vida à minha singela poesia.
Obrigado de todo coração, querida amiga.
Edil

 
Autor
EDILFRANCI
 
Texto
Data
Leituras
454
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
CLEIDEYAMAMOTO
Publicado: 21/05/2010 01:28  Atualizado: 21/05/2010 01:28
Da casa!
Usuário desde: 27/03/2010
Localidade: Pindamonhangaba-SP-Brasil
Mensagens: 226
 Re: O AMOR QUE INVENTO/INVENTAS (DUETO)
É Edil, aqui estamos nós, dois poetas que se juntam na mais pura emoção e inspiração.

Eu é quem agradeço a honra de poder participar dos seus versos, meu amigo e grande poeta.

beijo no seu coração,

Cleide