https://www.poetris.com/
Poemas : 

Não a teu amor, não a teu sexo.

 
Não te declares de forma que eu imagine que me amas
Sei que não, sei que és abandono, que és como o vento
Que escorre sem deixar marcas, sob o azul destes céus
Não me prometas nada, pois sei que nunca vais cumprir
Sei quem tu és, por mais que me jures que está mudada
As flores por onde tu passaste não têm perfume ou cor
O teu caminho é agreste e orlado de árvores sem fruto
Tuas distâncias são medidas por teus desejos da carne
E assim na estreiteza de teu sexo tudo mais é só drama
Segue, pois, em teu silêncio de deserdada estrela caída
Adeus, de ti nada quero, nada quero do que tens a dar


Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.



 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
69
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HELDER-DUARTE
Publicado: 23/09/2020 21:16  Atualizado: 23/09/2020 21:16
Da casa!
Usuário desde: 24/11/2006
Localidade: Albufeira
Mensagens: 346
 Re: Não a teu amor, não a teu sexo.
A opção é sempre a alternativa!