https://www.poetris.com/
Carlos Drummond de Andrade : A Castidade com que Abria as Coxas
em 08/11/2012 15:32:23 (1991 leituras)
Carlos Drummond de Andrade

A castidade com que abria as coxas
e reluzia a sua flora brava.
Na mansuetude das ovelhas mochas,
e tão estrita, como se alargava.

Ah, coito, coito, morte de tão vida,
sepultura na grama, sem dizeres.
Em minha ardente substância esvaída,
eu não era ninguém e era mil seres

em mim ressuscitados. Era Adão,
primeiro gesto nu ante a primeira
negritude de corpo feminino.

Roupa e tempo jaziam pelo chão.
E nem restava mais o mundo, à beira
dessa moita orvalhada, nem destino.

Carlos Drummond de Andrade, in 'O Amor Natural'


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
fotograma
Publicado: 10/11/2012 00:06  Atualizado: 10/11/2012 00:06
Colaborador
Usuário desde: 16/10/2012
Localidade:
Mensagens: 1576
 Re: A Castidade com que Abria as Coxas
isso é poesia de amor, o resto é kitsch

Links patrocinados

Visite também...