Poemas : 

SANGRANDO ENQUANTO A FACA CORTA A CARNE

 
Tags:  amor    vida    noite    lua    SORRINDO  
 


Não estou mais sorrindo
O regador já não serve para lavar a alma
Não sou mais a borboleta que luta pela vida
Sou apenas minha dor púrpura e infinita

Hoje a lua se escondeu onde não havia sol
A fruta que descasquei estava sem caldo
O suco não sairá pela manhã como deveria
E a noite não brilhará antes do nascer do dia

Minha ilusão sucumbiu antes de nascerem asas
Não sou uva passa
Não sou a nata
Que ficou esquecida depois que o leite foi requentado

Minha chuva vai derramar a sede dos seus olhos
Sentirei a faca cortar minha carne
Sangrarei meu amor até desfalecer
E assim poderei te esquecer

 
Autor
Arnoldo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
889
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.