https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Dedicatória : 

Poema de Julio Saraiva / A ALEXANDRE O'NEILL

 
 


visite o meu blog aqui...http://vonyferreira.blogspot.pt/
Vóny Ferreira

http://youtu.be/QciYfvcUMMw

"Mas sofre de ternura, bebe demais e ri-se
do que neste soneto sobre si mesmo disse..."
(Alexandre O'Neill)

também bebo demais e rio-me
das penas deste purgatório - não o de torga -
que construí para mim mesmo
tenho pesadelos terríveis em decorrência do álcool
sonho sonhos de necrotério
ainda ontem alexandre vi meu corpo nu
exposto na morgue
acordei suando frio
fui à janela e olhei para o céu
havia uma gorda lua cheia debochando de mim
pela manhã tive a certeza de que continuava vivo
olhei meu rosto no espelho
e reparei que meus olhos estavam mais tristes
do que de costume
a puta da minha vida tem disso
as mulheres me roubam a consciência de homem
nessas horas queria ser o poodle da minha vizinha
come bebe ignora o tempo e vive cercado de mimos
esta vida do caralho está sempre a nos dar bananas
agora dei de beber pela manhã
gosto do desprezo com que me olham no bar
o sofrimento para mim é um vício que não vou largar nunca
escrevo meia dúzia de poemas e me dou por satisfeito
tenho a capacidade de morrer quando quero
mas o porteiro do prédio onde moro não sabe disso
minha vizinha diz que sou louco
de vez em quando até sou
(louco de saudade de mim)
sempre quando converso comigo acabo em discussão
desculpe se o poema está ruim
amanhã cedo faço outro melhor

(JÚLIO SARAIVA) http://youtu.be/QciYfvcUMMw


Já a minha alma foge
como se tivesse pressa
De descobrir em que horizonte
A minha vida se prolonga!
Vóny Ferreira

Nota; Em pensamento estarei aí, Julio, olhando-te através de uma flor, não para te dizer adeus mas até sempre... JÁ QUE O SEMPRE NUNCA NOS MATA!!
 
Autor
VónyFerreira
 
Texto
Data
Leituras
1553
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
8
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 24/02/2013 09:08  Atualizado: 24/02/2013 09:15
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: Poema de Julio Saraiva /PARA ALEXANDRE O'NEILL
Video onde leio este maravilhoso poema de JULIO SARAIVA

http://youtu.be/QciYfvcUMMw

Pode ver também aqui neste blog; http://vonyferreira.blogspot.pt/2011/ ... neill-poema-de-julio.html

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 24/02/2013 09:15  Atualizado: 24/02/2013 09:15
 Re: Poema de Julio Saraiva /PARA ALEXANDRE O'NEILL
Um poema com feições marcadas pelo desdém, desdém da vida vivida. Excelente o poema. Abraço, Ivone.

Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 24/02/2013 10:58  Atualizado: 24/02/2013 10:58
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: Poema de Julio Saraiva /PARA ALEXANDRE O'NEILL
A alma do poeta - atormentada porque brilhante, ou brilhante porque atormentada...?

Gostei muito de te ouvir dizê-la, Vóny.

Passemos devagarinho, para o adeus não dar por nada...


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 24/02/2013 11:44  Atualizado: 24/02/2013 11:44
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29335
 Re: Poema de Julio Saraiva /PARA ALEXANDRE O'NEILL
Sentimento que somente nosso corações sentem junto ao nosso ser, belooooooooo

Enviado por Tópico
CarlosRocha
Publicado: 25/02/2013 16:08  Atualizado: 25/02/2013 16:08
Novo Membro
Usuário desde: 13/02/2013
Localidade:
Mensagens: 2
 Re: Poema de Julio Saraiva /PARA ALEXANDRE O'NEILL
Li e ouvi!... dito com alma!... CRocha

Enviado por Tópico
DomingosdaMota
Publicado: 25/08/2013 16:20  Atualizado: 25/08/2013 16:20
Colaborador
Usuário desde: 15/05/2010
Localidade:
Mensagens: 838
 Re: Poema de Julio Saraiva /PARA ALEXANDRE O'NEILL
Um poema que leio e que releio.

Obrigado por lhe dar voz.

DM

Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 25/08/2013 16:40  Atualizado: 25/08/2013 16:40
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11186
 Re: Poema de Julio Saraiva /PARA ALEXANDRE O'NEILL
Júlio Saraiva,
Eu costumava dizer-lhe o quanto lê-lo me fazia bem.Um ser humano algo desajustado aos dias conturbados de hoje. Um grande homem e enorme poeta, que tenho ainda como um irmão, os laços de afinidade não se quebram com a separação física, onde quer que esteja sabe quem eram os seus amigos e admiradores.
Obrigada Voninha por sempre homenageares os amigos.
Nanda