https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

As trovas de um brinde

 
Tags:  cerveja  
 
Open in new window


















As trovas de um brinde

Responderia o monstro: "Eu gosto é da cerveja"
Charles Baudelaire - As flores do mal (Tradução)

Como a breja saborosa,
Tens mais espuma perfeita
Parece-me a alma famosa
Que hás de degustar e deita.

Que hás de degustar e deita
E encantar-te o bom sabor,
Ai! Que o lúpulo deleita!
Um brinde com paz e amor.

Um brinde com paz e amor
- E a cevada, vive em gosto
Bebo a delícia e o amargor
Sim, eu dou à sede e aposto.

Sim, eu dou à sede e aposto
Inda fortemente amável
Com vontade e sem desgosto
Pois totalmente passável.

Pois totalmente passável,
O grande álcool me empenha
Desce gostoso e notável
Que queira beber e venha.

Autor: Lucas Munhoz (Jovem poeta) - 20/05/2013

 
Autor
lucas.munhoz
 
Texto
Data
Leituras
862
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.