Poemas : 

Na noite

 
Tags:  amor    esperança    lembrança  
 
Na noite

O silêncio predomina.
Uma aranha teceu suas teias
nas paredes dos meus limites.
Sou um novelo de lã emaranhado.
Almas que me espiam
carmas por expiar,
o vento batendo nas telhas
reflete a minha agonia.
Mas ainda há uma vaga lembrança
um teu sorriso que não fugiu
e eu acalento a esperança
com goles quentes de chá.

Do livro: O trem dos meus dezoito anos - editora Perse.
 
Autor
chintons
Autor
 
Texto
Data
Leituras
748
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.