https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Aurora

 
Aurora

Na noite,----
entre sonhos desempregados,
entre negras esperanças,
falaram-me de ti; -- Aurora!

Não te conheço,--
mas, disseram -me
quando te levantas,
quando apareces,
o sol---
logo se apressa a beijar teus lábios,--
frescos ---e –teus olhos irisados!
rodeados de orvalhos da madrugada,
que velam tua beleza!

Sim, --já me falaram de ti,---
mas,-- eu ainda não te conheço!

Disseram-me que eras meiga e doce,
mas,-- a aurora que eu vejo,
em que acordo ,-- tarde,
em cada manhã,-- deve ser tua irmã!
Não a que desejo,
a que quero conhecer
e acordar nos seus braços,
olhar sua boca de lábios frescos,
de olhos irisados;
olhos de luz, sem poente!--
Ficar no seu regaço,---
cheio de eternidade colorida!

Disseram-que és eterna!
Quero estar contigo.
Por ora, por agora,
durmo entre sonhos desempregados
e esperanças quase perdidas,
mas--- sei—
que um dia vou acordar nos teus braços!
Disseram-me que és meiga!
Talvez me afagues. e, quem sabe?
talvez dês emprego aos meus sonhos, ---e
renoves esperanças –
de quando eu sair da noite
ficar ao lado do teu olhar irisado!
Disseram-me que eras meiga!
Oxalá que assim seja.
Prometo não fazer birras!
………..xxxxxxxxx………….
Autor deste original e inédito:
(Figas de Saint Pierre de Lá-Buraque)
Gondomar



Figas

 
Autor
Figas
Autor
 
Texto
Data
Leituras
326
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.