https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

[Reflexos da alma]

 
[Reflexos da alma]

Sentado a beira de um rio
Meu olhar sedento , sereno
Fixa em direção ao coração da floresta
Observo atentamente
A neblina abraçar todo o redor das árvores
Enquanto minha mente se tranquiliza
Com os singelos cânticos das aves.

Sobre a correnteza das águas cristalinas
Pelo espelho corrente
Que reflete minha alma,
Eu dou voltas e voltas.

Sim, minha cansada e abatida alma
Grita em silêncio, faz clamores
Por porções suculentas de paz e calma.

E os anos vão passando
Paginas de vida são viradas
Horizontes abrem portas infindáveis
Ao olhar para o reflexo da minha alma
Sinto um gosto amargo
E cuspo para fora, sonhos desejáveis.

Focos, luzes de reflexões
Chegam para me questionar:
Até onde você é capaz
De suportar suas provações?
Até onde vai o limite da sua mente,
Do seu corpo e da sua alma
Que tudo sente?

Na melodia da colina
O som do espelho de água corrente
O som do campo, das árvores dormentes
Entorpece minha mente,
Poesia nua e crua, toca minha alma.

A luz divina
Me faz perceber
Que um refinamento em minha vida
Eu preciso receber,
Enquanto a melodia do vale perdido
Continua chovendo em cima de mim,
Como uma garoa pura e fina a me envolver.

 
Autor
Keithrichards
 
Texto
Data
Leituras
1464
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
28 pontos
12
4
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 03/10/2014 22:51  Atualizado: 03/10/2014 22:51
Usuário desde: 07/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 16060
 Re: [Reflexos da alma]
Foi um misto de bucolismo, ego, superego, id, yang-ying que nem Freud explica. Muito bom de se ler e de se se ver as imagens contidas nas sábias palavras de um jovem artesão. Daqui, aquele abraço amigo. Valeuu Keith!


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 03/10/2014 23:25  Atualizado: 03/10/2014 23:25
 Re: [Reflexos da alma]
«Até onde vai o limite da sua mente,
Do seu corpo e da sua alma
Que tudo sente?»

o corpo humano decerto tem limites,mas o espírito n tem,o ser emocional tem tb limitações q pode entrar em pane,mas o espírito esse é infinito,mesmo passando pelo fogo, e acredito q é infinitude de força imensurável q fz com q os passos sigam a frente mais uma vez...outra vez,mais uma vez...seguindo, pra nossa sorte, uma alma cansada encontra-se no limiar da renovação,legal meditar em suas palavras,achei bem bacana.


Enviado por Tópico
Manufernandes
Publicado: 04/10/2014 04:26  Atualizado: 04/10/2014 04:26
Colaborador
Usuário desde: 09/12/2013
Localidade: Lisboa
Mensagens: 3827
 Re: [Reflexos da alma]
Na vida tudo se resume a
nascer, crescer e morrer
tudo o resto é insignificante
para quem analisa porém, para
quem a vive é muito mais pois
há a acrescentar,no mínimo:
amar e ter saudades.
(saudades da mascote, dos avós
de algum amigo, da 1ªpaixão, etc.
..... )
A vida é assim...poesia.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 04/10/2014 18:50  Atualizado: 04/10/2014 18:50
 Re: [Reflexos da alma]
Uma bela meditação/introspeção entre os mais diversos tempos da vida e uma luz de esperança se avizinha no ser que canta por entre:

"A luz divina
Me faz perceber
Que um refinamento em minha vida
Eu preciso receber,
Enquanto a melodia do vale perdido
Continua chovendo em cima de mim,
Como uma garoa pura e fina a me envolver."

Um canto frágil e envolvente Richard.
Quis perceber assim se me permite poeta.
bj


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 05/10/2014 19:33  Atualizado: 05/10/2014 19:33
 Re: [Reflexos da alma]
Sabe Keith a luz divina nos faz entender que se a temos temos tudo, muito lindo teus versos, sentidos, e forte. Parabéns sempre por deixar tua alma refletir assim...


Bjos meu amigo.


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 06/10/2014 22:36  Atualizado: 06/10/2014 22:36
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12485
 Re: [Reflexos da alma] P/Keithrichards
Cortina de chuva fina que deixa passar em transparência as fases de uma vida que quer despontar para a luz divina e encontrar a pacificação da alma poética. Reflexo cru para a realiddade da vida. Gostei, muito bom. Abraço. Vólena