https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

OS FINS

 
Tão escura ficou a noite
que o próprio tempo
tornou-se, apenas, uma silhueta
dos momentos passados.
E o que antes era presença
transmutou-se em hiatos
inesperados.

Reina, agora, apenas o espanto
e a soberana incerteza sobre
qual erro foi cometido,
para que o sonho,
que se pensou definitivo,
acordasse tão de repente.


Sentir-me-ei honrado com a sua visita em minhas páginas, nos links abaixo:

www.fabiorenatovillela.com

Blog - Versos Reversos

 
Autor
FabioVillela
 
Texto
Data
Leituras
429
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 28/06/2016 09:30  Atualizado: 28/06/2016 09:30
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 309
 Re: OS FINS
Partindo do opaco, eis que chega a dissolução sob a forma de uma “silhueta” ou de “hiatos inesperados”.
Os sonhos, esses, nunca s(er)ão definitivos porque a “soberana incerteza” prevalece, levando-nos a acordar sempre mais cedo do que aquilo que gostaríamos…
Da noite, porém, se fará dia. E entre sonhos incertos e incertezas de sonhos, é o dia que nasce e se desvanece sobre os nossos olhos, erros, esperanças, presenças e sentenças.
Uma escrita magistral: profunda, forte, desconcertante.
Um prazer ler-te.