https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

SEM RUMO

 
Grande angústia me aflige:
perceber-me também
um criador de gêneses espúrias,
é constatar que não mais posso crer
rutilâncias regozijantes.

Sequer posso mais me crer
– mito embalsamado –, com minhas faces
e máscaras, a percorrer caminhos
perdidos.

Bem que queria
ter ainda alguma esperança tênue
em que pudesse me agarrar
em meus desvarios,

mas eis que estou
– também ave pusilâmine – condenado
a caminhar no dorso de meu orb
e embalsamado.



Péricles Alves de Oliveira (Thor Menkent)


 
Autor
Thor
Autor
 
Texto
Data
Leituras
274
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
nereida
Publicado: 23/02/2018 16:23  Atualizado: 23/02/2018 16:23
Colaborador
Usuário desde: 27/08/2017
Localidade: São Paulo
Mensagens: 2277
 Re: SEM RUMO
Bonito poema! Um tanto triste que sois acontecer
com os poetas. Bjs