https://www.poetris.com/
Poemas -> Solidão : 

Olhos da cidade

 
Open in new window


Os olhos da cidade solitária
Conta os olhares sem nome
Nestas palavras de solidão
No tempo algures apagado….

Os olhos da cidade solitária
Conta as lágrimas que caem
Numa ausência construída…
Vaguear esquecer de tudo…

Os olhos da cidade solitária
Conta um poema imperfeito
Nestas distantes dores caladas
No estranho corredor da vida…

CA

 
Autor
Carii
Autor
 
Texto
Data
Leituras
138
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
8
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 31/10/2018 00:46  Atualizado: 31/10/2018 00:46
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 14703
 Re: Olhos da cidade
Estranho corredor da vida que une almas e corações. Não tem como não gostar. Beijos, linda!


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 31/10/2018 15:25  Atualizado: 31/10/2018 15:25
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12179
 Re: Olhos da cidade P/Carii
Os olhos de uma cidade solitária, são tristes, angustiados,
por isso as luzes brilhantes se acendem para as desvanecer, mas nem sempre conseguem, valha-nos a boa vontade de quem tem uma lanterna e ajuda... Gostei muito e aí vão os meus beijinhos Vó


Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 31/10/2018 18:37  Atualizado: 31/10/2018 18:37
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 6051
 Re: Olhos da cidade
Nos olhos das grandes cidades, estão guardados os segredos dos seus habitantes, que formigam pelas suas avenidas, ruas e pracetas.

Belo poema! Adoro passar por aqui.

Abraço!
upanhaca


Enviado por Tópico
Juanito
Publicado: 01/11/2018 23:37  Atualizado: 01/11/2018 23:37
Colaborador
Usuário desde: 26/12/2016
Localidade: España
Mensagens: 2603
 Re: Olhos da cidade
Gostei muito do poema, querida amiga!

Meus parabéns!!!

Beijos!!


Os olhos da cidade solitária
Leem as almas da gente entristecida,
O rosto da solidão e a sorte vária
Do véu que vai toldando a minha vida.