https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A mão que do chão se alimenta

 
Open in new window

Não ponhas mais vento
Ao vento da mão vazia,
Estendida ao relento
Nas esquinas da vida

Chega da indiferença,
É hora de fazer valer os dotes do coração,
E reerguer do chão
A mão que do chão se alimenta

Corpos vestidos da miséria,
Acatam os ventos das ruas,
Pra adiarem o vento
Que sopra em suas barriguinhas de fome

É, é preciso resgatar
Essas mãos estendidas ao vento,
Com migalhas das tuas sobras,
Não custa nada, faça-o e receba um sorriso

Adelino Gomes-nhaca



Adelino Gomes

 
Autor
Upanhaca
Autor
 
Texto
Data
Leituras
389
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
35 pontos
3
4
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 10/02/2020 20:29  Atualizado: 11/02/2020 11:00
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 6808
 Re: A mão que do chão se alimenta
Nas esquinas da vida

Nas esquinas da vida,
Da vida que ninguém quer,
Suplicam almas botadas
Às sombras da existência

Da existência vegetativa
dos que nada têm, senão
O céu e as lágrimas,
Que lhes ensopam almas nas esquinas da vida

Pra os indiferentes
Doar é um pecado,
Passam de lado, indiferentes
Às mãos estendidas ao vento

A indiferença mora em suas almas
E em seus corações de ferro,
Correm lavas da impiedade,
Invés do vermelho sangue
Open in new window


Adelino Gomes-nhaca

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 11/02/2020 19:22  Atualizado: 11/02/2020 19:22
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29440
 Re: A mão que do chão se alimenta
É o indiferente construido pelas indiferenças, que se faz um mundo totalmente desigual