https://www.poetris.com/
Poemas -> Amor : 

Um peito aberto à fome

 
Tags:  chuva    espera    emoções    melancolia    expressão    sons  
 
O sol irrompe por entre as nuvens, a chuva cai copiosamente a anunciar a chegada do Inverno, o vento no seu movimento enlouquecido arrasta as folhas inertes deste outono que se despede demoradamente, como se algo o fizesse demorar-se neste rodopiar e escutasse todos os sons da emoção na despedida.

A Melancolia deixa no rosto alguns laivos de tristeza esculpidos na expressão por um breve instante, só uma fração de tempo para que de rompante o pensamento a sacuda e ganhe asas num voo alegre a celebrar uma nova estação.

Há ninhos de andorinhas nos beirais dos telhados, paisagens de Araucárias a crescerem altivas, um campo de margaridas a suster a respiração e na alegria que brota do meu peito, o regozijo das vontades acesas a afastar as nuvens que pairam, há ruídos que se silenciam para resgatar a esperança.

Na ilha encantada dos meus sonhos, ouço o grasnar dos patos do lago, num vaivém constante, levanto os olhos para a direita e vejo uma mãe aproximar-se amamentando seu filho, e aquele momento borda no meu olhar uma emoção à flor da pele, um peito aberto à fome, um bocejo no aconchego dos braços e a saciedade estampada nos olhinhos que a fitam.

Quem me dera ouvir o som dos sentidos misturar-se em abandono nas emoções, ouvir o cio dos dias abrir-se no resgate à paz, dissolvendo a angústia no ventre imaculado das mães e das avós, para que a alegria abra as portas à felicidade e se sinta a lúcida presença dos afetos em verdade e consciência.

Quem me dera.

Alice Vaz de Barros


Alice Vaz De Barros

 
Autor
AliceVazDeBarros
 
Texto
Data
Leituras
169
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Alpha
Publicado: 17/11/2023 17:16  Atualizado: 17/11/2023 17:16
Membro de honra
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1869
 Re: Um peito aberto à fome
Um peito assim aberto á fome

Aos olhos do amor não estão sós

Nem a dor que os consome

Atemorizam os pais e avós!


O amor num dos seus mais belos cantos!