https://www.poetris.com/
 
Contos -> Infantis : 

"Chegou a Primavera!"

 
Era uma vez uma aldeia situada no cume de uma montanha e que não conhecia a Primavera.
Os habitantes da aldeia já tinham ouvido falar da Primavera, mas nunca a tinham visto. Sabiam que era prima do Verão e do Inverno, com os quais mantinha uma relação próxima, já com o seu primo Outono a relação era de distante e ténue, viviam em extremos opostos e nunca se cruzavam. Só o conhecia pelo que falavam dele, pois nunca se tinham encontrado.
Um dia a notícia de que a Primavera viria visitar a aldeia espalhou-se e os seus habitantes ficaram muito ansiosos pela chegada desse dia.
Na data marcada, eis que chega a Primavera! Pediu boleia a uma rajada de vento que se comprometeu a deixá-la na aldeia às horas marcadas. Já todos a esperavam.
Quando a viram e a puderam observar mais de perto constataram a sua sublime e serena belza. Era tão linda, a Primavera!
Vestia roupas frescas de tecidos transparentes de cores garridas. O seu cabelo era longo e caia-lhe nos ombros. O seu sorriso era os primeiros raios de sol que alegravam e aqueciam qualquer coração humana. O seus olhar contundente reflectia a paz do céu azul e a sua respiração era a brisa suave que lhes beijava o rosto. As suas delicadas expressões corporais assemelhavam-se às mais puras manifestações de fertilidade.
A certa altura, tirou de dentro da mala que trazia a tiracolo e que era a sua bagagem, uma pequena caixinha de música, já antiga, cinzelada, de cor púrpura e com motivos florais dourados. Abriu-a! Uma melodia suave ecoou nos ouvidos dos habitantes deixando-os em estado de êxtase. Era uma espécie de amálgama onde se misturavam o chilrear dos pássaro, o zumbir das abelhas, os gritos eufóricos das crianças a brincarem no campo, o bater da roupa molhada na pedra do tanque enquanto era lavada e o esvoaçar da roupa no arame a secar.
Consigo trazia também um frasco de vidro transparente com um líquido de cor lilás que emanava o intenso e relaxante perfume da Glicínia.
Os mais curiosos conseguiram ainda, mesmo sem ela lhes ter mostrado, alguns dos lenços que trazia onde as borboletas voavam livremente sobre as flores de mil cores e sobre os campos verdejantes.
Havia ainda algo que a Primavera lhes queria mostrar: um relógio! Um belo e valioso relógio de bolso prateado. Não tinha números…só a imagem da lua e do sol e duas cores: branca e negra. A branca era mais extensa e logo se aperceberam que aquele era o relógio que ditava as regras dos dias. Com a chegada da Primavera à aldeia os dias começariam a ser maiores e as noites mais pequenas.
Caiu a noite…E os habitantes da aldeia preparavam-se para ir dormir, assim como a Primavera que estava exausta da viagem, quando se depararam com mais uma melodia mágica, com que a Primavera resolvera brindá-los, pela simpatia de ter sido tão bem recebida. Era o som possante dos grilos machos e das corujas que entoavam, na imensidão da noite, os seus cânticos sobre um manto de brilhantes, que reflectiam a alegria de todos os habitantes.
Também para eles começava um novo ciclo com a chegada da Primavera…O ciclo revitalizado da fertilidade!


 
Autor
C.S.P.C
Autor
 
Texto
Data
Leituras
10866
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Henrique Pedro
Publicado: 20/03/2009 19:40  Atualizado: 20/03/2009 19:40
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2007
Localidade:
Mensagens: 3821
 Re: "Chegou a Primavera!"
Um conto entusiamente pela criatividade. Aplaudo.
Abraço