https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O LIVRO DO DESERTO I (Vigília)

 

Que vigilo eu?
No topo de uma duna
Onda estática de um mar imóvel
Agora que o vento amainou
E no céu esmeralda mil luzeiros cintilam
Tão suavemente
Que nem dá para fazer bulir um grão de areia

Os soldados ressonam
Enfiados nos sacos cama
Ouço bater os seus corações

Não sei quem são
Nem donde são
Só os conheço daqui
E só eu sei que como eu
Não vivem de ilusões
Vão para lado nenhum
Para onde o destino aprouver

São a lama
Da raça humana
Sem pátria, nem lar
Talvez fugidos do amor de uma mulher
Só lhes dói a saudade

São flores de Lotus
Que germinam na duna
Como eu
Pura espuma de espiritualidade

Que vigilo eu?

(Algures no Deserto do Sahara)
xxviii-iv-ddix


homo sapiens sapiens

 
Autor
Homo sapiens
 
Texto
Data
Leituras
914
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
10
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 28/04/2009 15:19  Atualizado: 28/04/2009 15:19
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: O LIVRO DO DESERTO I
Sou a primeira a vir felicita-lo por este poema.
Um abraço meu caro senhor/a (?)

Enviado por Tópico
Tânia Mara Camargo
Publicado: 28/04/2009 15:24  Atualizado: 28/04/2009 15:24
Colaborador
Usuário desde: 11/09/2007
Localidade:
Mensagens: 4263
 Re: O LIVRO DO DESERTO I
Sou a segunda a aplaudir-te, finalmente
um poema de qualidade, onde se pode ler
um pouco de sua alma. Que venha mais!
Beijos!

Enviado por Tópico
Henrique Pedro
Publicado: 28/04/2009 15:27  Atualizado: 28/04/2009 15:27
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2007
Localidade:
Mensagens: 3821
 Re: O LIVRO DO DESERTO I
A noites de Verão em Valongo das Meadas, no coração da mítica Terra Quente Transmontana, sua e minha Pátria, já que Portugal está sendo devorado pelos vermes do Terreiro do Paço, são quentes e lindas. Imagino como serão as do deserto do Sahara...!
Que se abra mais espaço à poesia no Luso poemas. Que cantem mais os poetas e tagarelem menos as trovadoras.

Amizade para todos e um especial abarço para si



Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 28/04/2009 15:51  Atualizado: 28/04/2009 15:51
 Re: O LIVRO DO DESERTO I
um poema que após eu ter lido, me pôs vigil. e a cada releitura, apreciei melhor a beleza dos versos. apesar de amargos, há luz, principalmente na estrofe das flores germinadas.
foi um prazer
fraterno abraço.
Silveira

Enviado por Tópico
Frederico Rego Jr
Publicado: 28/04/2009 21:34  Atualizado: 28/04/2009 21:34
Da casa!
Usuário desde: 15/01/2008
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 410
 Re: O LIVRO DO DESERTO I
Bela poesia! Digna de um homo sapiens .

Enviado por Tópico
Antónia Ruivo
Publicado: 28/04/2009 23:16  Atualizado: 28/04/2009 23:16
Colaborador
Usuário desde: 08/12/2008
Localidade: Vila Viçosa
Mensagens: 3906
 Re: O LIVRO DO DESERTO I (Vigília)
Eu sabia que ainda leria alguma coisa sua que valesse realmente a pena, por detrás da máscara existe sempre um rosto, por detrás do rosto a alma, neste caso a alma do poeta, obrigado por dar a conhecer esse lado, beijinhos

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 29/04/2009 09:56  Atualizado: 29/04/2009 09:56
 Re: O LIVRO DO DESERTO I (Vigília)
Aqui temos poesia
E da boa!

Parabéns,

Paulo Galvao

Enviado por Tópico
Homo sapiens
Publicado: 12/10/2014 00:00  Atualizado: 12/10/2014 00:00
Participativo
Usuário desde: 29/11/2007
Localidade: Terra de ninguém
Mensagens: 33
 Re: O LIVRO DO DESERTO I (Vigília)
O meu nome verdadeiro é Homero Santos Silva. Durante cerca de 5 anos fui para-comando na Legião Estrangeira Francesa, como com o posto de sub-tenente, o que me propiciou conhecer de perto o deserto do Sahara e sentir as saudades da Pátria e, sobretudo, da minha namorada. Episodicamente, sempre que o tempo, os recursos informáticos e a regra militar mo permitia vim aqui ao Luso postar alguns poemas o que muito me ajudou a enfrentar aquela dura vida. Agora regressei finalmente e em definitivo. Já havia constatado que havia sido confundido com um meu vizinho, que mal conheço embora estime. É-me dado saber que esse meu vizinho não se incomodou com isso e eu também não. Aqui fica o esclarecimento.
Agradeço a simpatia e generosidade dos comentários que este meu poema mereceu. Bem hajam.
Penso postar aqui o livro completo escrito no deserto cujo título definitivo ainda procuro. Livro do deserto? Seguramente não. Sahara? Talvez. Diário de um legionário do deserto? Porque não. Livro que contempla 3 ou quatro dezenas de poemas, do teor deste que intitulado Vigília.
Espero contar com a vossa compreensão.
Abraços fraternos

Homero Santos Silva (Homo Sapiens)