https://www.poetris.com/
Manuel Bandeira : Epígrafe
em 30/11/2010 20:51:57 (3364 leituras)
Manuel Bandeira

Sou bem-nascido. Menino,
Fui, como os demais, feliz.
Depois, veio o mau destino
E fez de mim o que quis.

Veio o mau gênio da vida,
Rompeu em meu coração,
Levou tudo de vencida,
Rugia e como um furacão,

Turbou, partiu, abateu,
Queimou sem razão nem dó -
Ah, que dor!
Magoado e só,
- Só! - meu coração ardeu:

Ardeu em gritos dementes
Na sua paixão sombria...
E dessas horas ardentes
Ficou esta cinza fria.
- Esta pouca cinza fria.


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Lucineide
Publicado: 08/02/2016 02:23  Atualizado: 08/02/2016 02:23
Colaborador
Usuário desde: 06/12/2015
Localidade:
Mensagens: 1291
 Re: Epígrafe
Também um dia me senti assim. Até parece que tudo morreu, até as horas.
Amo demais os poemas de Manuel Bandeira.

Links patrocinados

Visite também...