https://www.poetris.com/
Fernando Pessoa : O Inferno de Ser Eu
em 27/06/2013 20:41:49 (2670 leituras)
Fernando Pessoa

Ficarei o Inferno de ser Eu, a Limitação Absoluta, Expulsão-Ser do Universo longínquo! Ficarei nem Deus, nem homem, nem mundo, mero vácuo-pessoa, infinito de Nada consciente, pavor sem nome, exilado do próprio mistério, da própria Vida. Habitarei eternamente o deserto morto de mim, erro abstracto da criação que me deixou atrás. Arderá em mim eternamente, inutilmente, a ânsia (estéril) do regresso a ser.
Não poderei sentir porque não terei matéria com que sinta, não poderei respirar alegria, ou ódio, ou horror, porque não tenho nem a faculdade com que o sinta, consciência abstracta no inferno do não conter nada, não-Conteúdo Absoluto, [Sufocação] absoluta e eterna! Oco de Deus, sem universo, (...).

Fernando Pessoa, 'Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação (1915)'
Tema(s): Auto-conhecimento


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
samisee
Publicado: 25/07/2016 19:40  Atualizado: 25/07/2016 19:43
Super Participativo
Usuário desde: 05/03/2016
Localidade:
Mensagens: 149
 Re: O Inferno de Ser Eu
Eis a velha e malvada indagação, que não dorme e nem descansa...


(às vezes)

Links patrocinados

Visite também...