Poemas : 

Fissão neuronuclear

 
Fissão neuronuclear

Que estrela estranha
Criou dúvidas em mim
Sem respostas, decido não visitá-la
Vôo sobre desertos
Mergulho nas águas abissais
onde tu me aprisionaste por algumas estações

Escondido em meu quarto
Traço novas estratégias
Pretendo não mais oferecer
A matéria-prima que forjei
Doando, de forma imperceptível
A estrutura que tu usaste

No auge da dor explodi todo o cárcere
Uma lágrima de luz em meu rosto
Cá estou eu
Rumo ao maravilhoso desconhecido
Um novo plano! Jamais o revelarei

A pouco tempo atrás
Imaginava ouvir alguém me chamando
Pensei ter perdido toda esperança
Entretanto, as cinzas que sobraram dessa queima
Ainda que poucas,é o que me basta
Para que eu volte a sentir tudo outra vez

Ricardo Villa Verde

 
Autor
VillaVerde
 
Texto
Data
Leituras
580
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Cristal12
Publicado: 14/10/2009 21:43  Atualizado: 14/10/2009 21:43
Participativo
Usuário desde: 09/09/2009
Localidade: Minas Gerais
Mensagens: 21
 Re: Fissão neuronuclear
Oi Villa, explodindo carceres, e sobra um tiquinho da poeira, esperança de sentir novamente, forjar, matéria-prima das tuas estratégias. Uma guerra travada no interior. Acho que começo a te entender. Beijim pra tu. Virei fã.