https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Introspecção : 

Turbulências Outonais

 
Pode ter vindo das galáxias
Ou ter surgido das falácias
Mas, o fato já se impõe
No boato que interpõe

Na couraça que protege
Na vidraça que expõe
A dor que deveras sente
A flor que nega a semente

Seres humanos, cósmicos?
Ou simplesmente tórridos?
Consumindo-se (e sendo consumidos)
Por um tempo-rei que os faz escravos.

AjAraújo, o poeta humanista, escrito em vôo para João Pessoa, em Abril de 2009.
 
Autor
AjAraujo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
458
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
antóniocasado
Publicado: 19/01/2010 20:00  Atualizado: 19/01/2010 20:00
Colaborador
Usuário desde: 29/11/2009
Localidade:
Mensagens: 1657
 Re: Turbulências Outonais
Ola

Todos acabamos por ser escravos do tempo, mais ainda numa sociedade de pressas e conflitos.
Vamos rasgar as gravatas e afundar os relógios! Quem sabe a vida não se tornaria mais sã?

antóniocasado

Enviado por Tópico
carlapathy
Publicado: 20/01/2010 01:56  Atualizado: 20/01/2010 01:56
Super Participativo
Usuário desde: 19/12/2009
Localidade: Tramandaí - RS - Brasil
Mensagens: 118
 Re: Turbulências Outonais
verdade...
As convenções escrevizaram nossos dias,
nossa rotina... O relógio se tormou nosso
feitor!!!
Mas não desanimemos!!!!
Ainda somos livres no pensamento!!!

Gostei muito do teu poema!

Bjs by Carla Pathy