https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Sou estrela...

 
Sou estrela que segue caminho errante
E que no negro céu anda perdida,
Suspensa, sem o brilho do diamante,
Luz que se foi e ficou esquecida.

Luar opaco, outrora brilhante,
Ilumina meu céu, aquece-me a vida.
Dá-me, mesmo que por um instante,
Motivo que veja como te sou querida.

Entrego à escuridão, com desalento,
Minha alegria e vontade de viver
E sou feliz, por um momento...

Mas põe-se o sol, deixo de ver,
Cega-me o brilho baço, sonolento,
Ainda sou estrela, apagada, sem querer...
 
Autor
Vera Sousa
 
Texto
Data
Leituras
3467
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
12
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/08/2007 23:02  Atualizado: 07/08/2007 23:02
 Re: Sou estrela...
Todas as estrelas têm o seu devido valor e interesse, sejam eles quais forem, e estejam elas onde e como estiverem.
O que importa é sem dúvida o marcar da sua presença.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/08/2007 23:05  Atualizado: 07/08/2007 23:05
 Re: Sou estrela...
És estrela de brilho próprio, e a tua poesia, tem quinta grandeza. Belo Soneto.
Beijo,
Isabor.

Enviado por Tópico
goretidias
Publicado: 07/08/2007 23:23  Atualizado: 07/08/2007 23:23
Colaborador
Usuário desde: 08/04/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 1237
 Re: Sou estrela...
Apagada?! Não creio!
Muito bonito este seu poema!
Bjs

Enviado por Tópico
*ci*
Publicado: 07/08/2007 23:24  Atualizado: 07/08/2007 23:24
Colaborador
Usuário desde: 28/02/2007
Localidade: Suiça
Mensagens: 689
 Re: Sou estrela...
Somos todos estrelas mas umas brilham mais que outras...:)

beijos da ci

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 08/08/2007 02:08  Atualizado: 08/08/2007 02:08
 Re: Sou estrela...
Sua obra é digna da estrela da poesia que é você. O conteúdo está sublime a transpor o grande lirismo português, aquele fado a ser emanado de teu soneto.
Apesar de ser de métrica livre, legaste-nos três versos que são perfeitos decassílabos.

"E que no negro céu anda perdida,
Suspensa, sem o brilho do diamante,
Luz que se foi e ficou esquecida."

Os dois primeiros em decassílabos heróicos marcados em 6ª e 10ª sílaba, e o terceiro marcados em gaita Galega, com tônicas em 4ª e 7ª sílabas (além da 10ª, claro!).
São os seus versos, inspirados e vertidos em perfeitos diamantes. Parabéns sinceros e saudações minhas.

"Eu te direi as Grandes Palavras"
Godi.

Enviado por Tópico
Gilberto
Publicado: 08/08/2007 13:26  Atualizado: 08/08/2007 13:26
Colaborador
Usuário desde: 21/04/2007
Localidade: V.Nde GAIA-Porto
Mensagens: 1804
 Re: Sou estrela...
Gostei muito deste soneto, Vera!

Mas...estrelas somos sempre. Se somos ou não, menos brilhantes...muitas vezes depende de nós.

Beijo terno...

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 10/08/2007 08:46  Atualizado: 10/08/2007 08:46
 Re: Sou estrela...
Pra-lá-de-estrela!

Fantástica!!!!

Enviado por Tópico
Tália
Publicado: 12/08/2007 23:26  Atualizado: 12/08/2007 23:26
Colaborador
Usuário desde: 18/09/2006
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2503
 Re: Sou estrela...
És uma estrela linda que brilha sempre no meu céu.
Está lindo...

Beijos

Tália

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/09/2007 03:46  Atualizado: 13/09/2007 03:46
 Re: Sou estrela...
AS ESTRELAS GIRAM EM VOLTA DO FIRMAMENTO, NÁO LEVAM VIDA ERRANTE, PORÉM SUA LUZ BRILHANTE SE APAGARÁ, MAS SUA VIDA CONTINUA PALPITANTE.
A ESCURIDÁO É UM DESALENTO, MAS A LUZ DO DIA NOS DÁ NOVO ALENTO, SEU BRILHO NOS ILUMINA E NOS CONFORTA, NOS CEGA E NOS TRAZ AMOR.
A SUA ESTRELA NÁO SE APAGOU, TALVEZ MUDOU SUA ROTAÇÁO DEIXANDO DE SE VER MOMENTÀNEAMENTE, SEJA UAM ESTRELA BRILHANTE TENDO POR COMPANHIA O SOL E A LUA E VERÁ QUE É BELO VIVER-SE.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/12/2007 06:42  Atualizado: 07/12/2007 06:42
 Re: Sou estrela...
AS ESTRELAS NUNCA PERDEM O BRILHO ELAS SE REFLETEM NO FIRMAMENTO DURANNTE DTODA A NOITE DE DIA ENT\AO VEM O REI SOL QUE LHES ENCONBRE SUA LUZ, PORÉM ELAS LÁ ESAO FIRMES E DELICADAS MUITAS AINDA POR DESCOBRIR.
SUA LUZ NÃO SE PAGOU AMIGA VERA, É FELIZ DESSA FORMA, TAL COMO A LUA QUE NOS MOSTRA SOMENTE UMA PARTE DE CORPO.
SE ALEGRE E VIVA EM TODA A SUA PLENITUDE POIS A VIDA VALE A PENA SER VIVIDA QUER SER DE DIA COM O SOL RAIOSO QUER A NOITE BANHADA PELO OLHAR E PELOS CINTILAR DAS ESTRELAS.

FELIZ E SANTO NATAL

Enviado por Tópico
q14
Publicado: 23/12/2007 16:11  Atualizado: 23/12/2007 16:11
Da casa!
Usuário desde: 02/10/2007
Localidade:
Mensagens: 247
 Re: Sou estrela...
Este soneto peca na métrica, pois um soneto requer métrica perfeita, em língua portuguesa, normalmente decassilábica. A rima porém está correcta.
Formalismos (importantes) à parte, o soneto prima pelo lirismo. A sonoridade é bem conseguida pois nas primeiras três estrofes utilizas muitas vogais abertas, em alternância com algumas fechadas, deixando vislumbrar por entre a escuridão uma réstea de felicidade.
No último terceto, passam os sons fechados a adquirir mais importância e morre assim toda a esperança ou réstea de "luz" que te poderia dar felicidade, nem que fosse "por um momento".

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 23/12/2007 17:29  Atualizado: 23/12/2007 17:29
 Re: Sou estrela...
Olá Vera,

Sinto saudade de Bocage, sinto saudade de Natália Correia entre muitos outros e outras...

São tão cansativas e castradoras, as Edite Estrela no feminino e no masculino…

Natália Correia um dia passou-se e chamou cotovia a Paco Bandeira…

Eu acatando o espírito natalício, não vou enveredar por onde me apetecia…

Peço-te apenas: Dá-me o que tens dentro de ti, não lhe dês nomes técnicos, escreve apenas…

Porque o que escreves é exactamente aquilo que faz a diferença, entre choradinho e poesia…

Na verdade o que tem afastado os leitores dos escritores, sobretudo dos de poesia, são estes tiques de seres super-dotados, esta postura de arrogante e maçadora…


encontrar a frase perfeita no saber dos silêncios acumulados. ou renascer feito rebento, filho de uma existência inquietante, que tanto incomoda quem insiste em mutilar vontades. nada mais redutor que a convicção da existência perfeita e do saber irrepreensível.

Um beijo amiga.