https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

NOVE POEMETOS (E UM SONETO) PARA EU PENSAR NO QUE NÃO ESCREVER

 
Tags:  escrever    ou    eis a questão    não escrever  
 
.


Gê Muniz

NOVE POEMETOS (E UM SONETO) PARA EU PENSAR NO QUE NÃO ESCREVER


- I -

beijei a imagem do sapo doente
(que se transformou
magicamente
num principesco poema carente
de médicos e hospitais)

- II -

graúna fincou no telhado
trinou aguçado assovio
- grave e agourado -
gelado prenúncio
d’um poema apressado

- III -

eis um toque ao avesso de Midas:

às palavras improferidas
se ditas, viram merda

- IV -

jamais sei onde colocar
vírgulas
pontos
e cotovelos

- V -

ah, mas um poema
um poema é outra coisa...
vira essa coisa doída
que pousa nos olhos
e me abre um desnorte
com uns movimentos
de mosca doida...

- VI -

o amor morreu
modorramente
morreu sem cor, sem viço
escafedeu-se sinceramente...

nada mais a acrescentar:

ao contrário da franqueza
a honestidade é apoética

- VII -

sigo os bons descaminhos
os completos nonsenses de sentido

sigo firme rumo ao buraco retorcido,
estripado, pelancudo
do cavado do meu umbigo

sigo consumido.

sigo enfartado. farto
de não ser poeta

(todo fodido)
apesar de tudo, sigo.


- VIII -

no solo dos meus dias crescem ervas daninhas
de subtrair poesias de pequeninas pedras rachadas...

- IX -

tudo o que gostaria de escrever
Quintana já o fez...
resta-me queimar a cachola
para ser menos “eu mesmo”
de quando em vez
(e escrever algo como “ninguém”)

- X -

SONETO TÃO QUEBRADO QUANTO MEDIÚNICO


uma música queima
o contorno das ricas rimas
ausentes neste poema
tal fosse praga minha...

que, cínico, chora as cordas,
ao longe, o velho Stradivarius
anímico, sobre as hordas
d’uns versos doidivanas vários

ah, aos meus micos, bananas!
esse som afetado e raso, caduco,
no tom atoleimado de roer prepúcio...

mesmo se rompa o fonograma:
seja ele ruim, podre ou translúcido
decerto é meu lado medi_único
 
Autor
GeMuniz
Autor
 
Texto
Data
Leituras
983
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
12
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/07/2011 23:11  Atualizado: 06/07/2011 23:12
 Re: NOVE POEMETOS (E UM SONETO) PARA EU PENSAR NO QUE NÃO...
Bravo, poeta!
Do princípio ao fim!
Amanda co sacasmo da tua indiferença na inveja dos poetas que são mesmo poetas, dos que só eles se podem contar como tal!
abraço
nuno


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/07/2011 23:48  Atualizado: 07/07/2011 00:00
 Re: NOVE POEMETOS (E UM SONETO) PARA EU PENSAR NO QUE NÃO...
esse gê eu desconhecia, rs.
gostei da impagabilidade e descontração.
cara, não é por nada não, mas você fez jus a
meu comentário, aliás, bissexto, rs, justamente por falta de ter o que comentar no site, rs.

ei! pontuei certo? aqui onde estou nem apoio pros cotovelos tem!

valeu a leitura.

abraço do mano rehgge.


Enviado por Tópico
carolcarolina
Publicado: 07/07/2011 03:41  Atualizado: 07/07/2011 03:41
Colaborador
Usuário desde: 24/01/2010
Localidade: RS/Brasil
Mensagens: 9297
 Re: NOVE POEMETOS (E UM SONETO) PARA EU PENSAR NO QUE NÃO...
Amigo Poeta
Ge!


Tu és único poeta!
Que dizer?
Concordo contigo, quem sou eu para te contrariar?
Sempre diferente na tua escrita, gostei.
Bjos
Carol


Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 07/07/2011 18:09  Atualizado: 07/07/2011 18:09
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: NOVE POEMETOS (E UM SONETO) PARA EU PENSAR NO QUE NÃO...
A ironia, a construção, tudo se encaixa
na perfeição porque tu és um mago
indiscutível das palavras.
Adorei,
Beijo, Ge
Vóny Ferreira


Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 07/07/2011 21:11  Atualizado: 07/07/2011 21:11
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11186
 Re: NOVE POEMETOS (E UM SONETO) PARA EU PENSAR NO QUE NÃO...
Gê,
Também nunca sei onde colocar os cotovelos...nem as mãos, sou meio desajeitada.
Beijo
Nanda


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/07/2011 21:21  Atualizado: 07/07/2011 21:21
 Re: NOVE POEMETOS (E UM SONETO) PARA EU PENSAR NO QUE NÃO...
fantástico. o meu preferido é o IV.

um abraço