https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Introspecção : 

Tempo de pagar o tempo.

 
Tags:  bom norte poemas  
 
Open in new window


Hoje é o meu dia triste.
A mala está organizada e a comida está salgada.
Dói-me os dedos de tanto rapar e tentar descobrir restos para comer.
Supermercado? Longe vão os tempos. Escasseia o dinheiro na carteira.
Sou sempre eu! Olho-me no espelho e vejo-me desaparecer.
Sou uma donzela que mais parece um pavio de uma vela gasta.
Rasca é a minha existência.
Paciência! O pão serve de alimentação.
As notas voaram em tempos e os trocos dominam a razão.
Queira tanto ser rica! Comer em abundância. Sonhar em Lisboa e acordar em França.
Marmitas da Louis Vuitton , com o monograma contrafeito que me faz lembrar outro mundo.
Uns têm tudo! Outros nada têm. Mas na certeza porém, os maus tempos advêm de outros ainda piores.
O meu escadote foge-me por entre os dedos deixando os seus degraus cederem ao meu peso, peso leve que só me obriga a descer.
Sonho que me faz levitar.
Os meus pés apertam-se, tentam encaixar-se dentro de um par de sapatos esburacados que por sinal não são maleáveis.
Troquei a calculadora pelos nós dos meus dedos. Roupa miserável que vagabundeia pela classe média.
Eterno pagador de esmolas que nunca vê a promessa cumprida e marcha ao lado de uma estrada sem bermas. Só valetas que não fazem falta!
Miséria que desfila pela avenida. Poeta sem papel que decorra as palavras.
Parcas mas certeiras.
A manteiga deu lugar à margarina e a varina abandonou a lota.
Trabalha na terra mais o seu marido. Curto e comprido, palavras lançadas ao vento. Nomes do seu descontentamento. Leva-los cotovia. Leva-los vento e fá-los aterrar lá para o lado de Sº Bento.
Abandono a alegria, ofereço-a à minha barriga vazia.
Que triste conta certa sem lugar a demasia.
Calças presas nas meias para as migalhas não perder.
Bolsos rotos pela força dos dedos que tentam em vão encontrarem salvação.

2 e 2 quantos são?

 
Autor
bomnorte
Autor
 
Texto
Data
Leituras
453
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
rosafogo
Publicado: 21/07/2011 16:37  Atualizado: 21/07/2011 16:37
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2009
Localidade:
Mensagens: 9599
 Re: Tempo de pagar o tempo.
Belíssimo.Foi um prazer lê-lo.

Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 21/07/2011 16:47  Atualizado: 21/07/2011 16:47
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: Tempo de pagar o tempo.
Um texto que vale a pena ler, ler, e meditar.
Parabéns!

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 21/07/2011 16:57  Atualizado: 21/07/2011 16:57
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9626
 Re: Tempo de pagar o tempo.
Boa tarde Caro poeta, sua personagem sente-se melancólica, depois da sua derrocada social, coisas da vida, parabens pelo seu instigante poema, MJ.