https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

vizinho das nuvens

 
Tags:  poema    terra    mar sonho    poesia céu  
 
As horas que passei sentado à espera...

Um dia compreenderás porque trago uma lança
atravessada lado a lado...

Vizinho das nuvens,
vivo algures entre o céu e a terra
e não sei de que terra sou,
pois nas minhas mãos não existe lama que me possa identificar.
Terra minha, meu céu.

Por debaixo dos meus pés, só basalto e calcário, chão
demasiado hermético para me identificar.

E eu que gosto tanto de andar sem ferir as pedras...

Queria ter granito e terra e lama e flores e arte e amores,
tocar em farrapos de nuvens que lentamente se desprendem
do lado do mar
e formam formas que atemorizam os bandos de andorinhas
que voam cá dentro, no céu de mim...

Um dia...

Um dia saberás o que te quis dizer...


NR

 
Autor
nunorita
Autor
 
Texto
Data
Leituras
888
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
6
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 14/04/2012 12:52  Atualizado: 14/04/2012 12:52
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8205
 Re: vizinho das nuvens
bela vizinhança com as palavras no céu e as andorinhas dentro.
Roque


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 14/04/2012 13:55  Atualizado: 14/04/2012 13:55
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29152
 Re: vizinho das nuvens
Um lindo poema que traz em si um encanto, belo


Enviado por Tópico
Felisbela
Publicado: 14/04/2012 15:54  Atualizado: 14/04/2012 15:54
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2011
Localidade:
Mensagens: 2207
 Re: vizinho das nuvens P/ nunorita
Olá Nuno!

Ter as nuvens e o céu como vizinhos
É pura loucura...ou fascínio
Deter a cor de todos os carinhos
Deitar-se numa cama de delírio

Tocar os farrapos de nuvens lentamente
É voar livre e em frenesim...
É tocar os lábios amados docemente
E vibrar de alegria e de festim...

Adorei as suas palavras! Parabéns! E perdoe-me o devaneio...

Abraço poético

Felisbela