https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

«Cheiras a incenso!»

 
Tags:  sonho    delírio    lascívia    morfina    interlúdio  
 
Dizes: - “cheiras a incenso!”
E eu digo-te que a tua voz exala o odor quente da morfina.
E bebo dos teus lábios esse eterno demónio do fingimento,
que me leva para o oriente do teu corpo no meu corpo.

A noite traz até ao nosso abismo
a fragrância da volúpia que adivinho das tuas mãos.
Inspiro-a, golfada após golfada e digo: - “cheiras a morfina!”

E o incenso do meu corpo estala em sulcos que
percorres com o mármore dos teus lábios.
Estremeço; mas agarras a minha garganta
e transbordas em mim a lava da tua malícia de que bebo avidamente.

Estou impregnada do veneno da tua essência;
e num abraço violento rasgo em ti a alma
para que possa cobrir-nos com ela.

Mas o efeito da morfina já escasseia
e o palco da nossa lascívia evapora-se
e quando dou por mim, nunca lá estiveste.
Mas nas paredes do meu quarto a tua voz ressoa, dizendo: - “Cheiras a incenso!”



6/06/2009

Ana Limão Ferreira


PS: Um especial agradecimento ao Caopoeta que me ajudou a dar à luz estas palavras.
 
Autor
Histeroneurastenia
 
Texto
Data
Leituras
717
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 12/06/2012 12:49  Atualizado: 12/06/2012 12:49
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29310
 Re: «Cheiras a incenso!»
Um poema que tem um verdadeiro cheiro de uma imensa sabedoria, que encanto