https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Mudança

 
E eu que gostava do não gostar.
Acabei amando, amor!
Alvitrando o teu olhar que a mim pousa terno.
Fazendo do teu esquecimento o meu rubro inferno.
Temo que você morra em mim, amor.
Como morre todo verão após nascer cada inverno.
Sei que foram poucas as noites de intensa ventura.
(Então, como posso gostar-te tanto?)
Mas que isso não seja desculpa para minha torpe cura.
Se elas foram poucas, amor.
Sugiro que até a chuva mais intensa pouco dura.
Basta lembrar-se de quando saímos ávidos de vontades,
Sentindo o cheiro de pele, de corpo.
De rastro de consumação depois de tantos copos.
Enquanto nos dopávamos entre Bob Dylan, Aerosmith e tantos outros.
O que me resta agora são lembranças,
Que se exasperam em meio às traças,
Não há nenhum frenesi, tão pouco um beijo.
Apenas esse exaurido amor que a mim lança,
Refazendo-se na inconsciência brutal do meu desejo.
Não há palavra que console, nem silêncio que respeita o pejo.
E eu amor, que não gostava do não gostar,
Sinto a extrema necessidade de dizer:
Que acabei te amando [...]
(Víctor Sousza)

 
Autor
victorsousza
 
Texto
Data
Leituras
458
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 19/06/2012 17:46  Atualizado: 19/06/2012 17:46
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29336
 Re: Mudança
UM POEMA PAIXÃO, MARAVILHA