https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Reflexão : 

Isto aconteceu comigo!

 
Isto aconteceu comigo!
Open in new window
_ Já notei que muitas das vezes, por um motivo do nada , talvez um pouco de preconceito por nossa parte quem sabe, agente pensa não simpatizar por alguem.
Mas lá no fundo é quem no futuro irá nos conquistar, e suas mãos nos estender, e quem sabe seja até a nossa cara metade.
As vezes é preciso uma certa distancia prolongada , um fato forte, um acontecimento desagradável ou não, para que notamos sua existência e percebermos seu valor.
Muitas vezes é até o nosso vizinho de porta, que não damos a mínima, nem olhamos para ele. As vezes nunca desejamos um bom dia por pensar que não simpatizamos, e por isto não damos uma só oportunidade e também não conhecemos suas qualidades.
As vezes também, não sabemos que esta pessoa com seu jeito simples de ser, pelo fato de ser muito tímido, mesmo de longe, somente em nos ver, já pensa em nós de um jeito especial.
E que também irá nos ensina a descobrir aquilo que não somos capazes de descobrir sozinhos.
Só é preciso esperar que o destino nos uni.
Poise, isto aconteceu comigo, quando eu tinha dezesseis anos de idade, fomos morar eu, minha mãe e meu pai, em casa que alugamos, e no mesmo quintal havia mais três vizinho alem de nós, um era, uma senhora bem idosa já aposentada e seu filho já rapaz que era um pouco manco, por uma pequena deficiência que ele tinha, os outros agente quase nem via.
Minha mãe era muito comunicativa, todos para ela era boa gente, e eu, eu era muito fechada, não fazia questão de fazer amigos, não gostava de sair para me- diverti, principalmente se dependesse de lotação, para mim era o fim. Eu sempre dizia, ai eu não tenho saco para aguentar lotação cheia, com aqueles pés rapado todo suado me aperta daqui, me aperta dali, pisando nos meus pés, estragando minhas unhas quando eu chegar onde tenho que chegar, já estou fedorenta assim como eles, à prefiro ficar em casa. Hoje eu digo até que eu era um pouco preconceituosa.
Falou em idosos?
À eu queria distancia!
Na minha cabeça, para que eu tão jovem, tão linda ia ficar perto de velhos gagas?
Mas eu esqueci de varias coisas importantes, esqueci que aqueles velhos gagas como eu dizia, também foram no-vinhos como eu, e quem sabe bem mais feliz.
Pois na verdade eu não me sentia feliz, felicidade para mim não existia, existia quem sabia fingir a felicidade.
Minha mãe, uma mulher trabalhadora, muito caridosa, também muito simples e que tinha que dar duro junto com meu pai, para termos uma vida digna, sempre me falava;
_ Filha, procura fazer amizade pelo menos com os nossos vizinho, seja humilde, nossos vizinhos são nossa familia.
_ Mas isto era motivo para mim gargalha de minha mãe.
Dizia eu;
_ Pra-que mãe?
Estou muito bem assim!
_ Dizia minha mãe;
_ Filha eu e seu pai temos que sair cedo para o trabalho e nem sabemos se voltamos, agente sai de casa mas não sabe se volta, e você fica só, se um dia você precisar? Com quem você poderá contar?
_ Eu toda orgulhosa dizia, nada, eu não vou precisar, eu me viro.
_ Minha mãe;
_ Tudo bem filha, com o tempo a vida irá te ensinar, espero que não seja de uma maneira cruel.
Mas isto não durou muito tempo, meus pais tendo que tomar lotação todos os dias para o trabalho, Um dia mais cedo que eu pensava meu orgulho foi quebrado.
Um dia já passava do horário que meus pais chegava, eu já me preocupava pois não era o costume, eu comecei a ficar, entrando e saindo, até quando o vizinho manco, como eu o chamava vindo do portão para minha direção e diz;
_Me per-doe pela noticia que tenho que lhe dar, mas seus pais faleceram, Eu ainda sorri da cara dele e disse, que brincadeira é esta o manco? Se quer me conquistar não tem um outro papo não?
Ele diz;
_ Preferia que fosse uma brincadeira, mas infelizmente seus pais sofreram um acidente de ônibus e faleceram no local.
Vamos para reconhecer o corpo, é, até que enfim minha ficha começou a cair, chegando ali vendo meus pais naquela situação, confeço que eu não sabia o que fazer, e o desespero para completar me invadiu.
Quem me valeu neste momento foi o vizinho manco, foi ele quem arco com todas as dispensas, e quando voltamos do enterro ele ainda me diz;
_ Se precisar, não se preocupe me procura ok.
Mas Eu, nem muito obrigada, em meu pensamento, procurar pra que? Mais uma vez eu pensei, eu não vou precisar.
Mas precisei muito rápido, eu não trabalhava, não sabia fazer nada, tinha que pagar o aluguel, eu não tinha dinheiro, os alimentos foram acabando, e o vizinho sempre vinha pergunta, se eu precisava de alguma coisa, eu tentei rejeitar, mas também não foi por muito tempo , até que um dia o aluguel já atrasado por três meses o dono veio pedia a casa, pois já sabia que eu não poderia pagar, me deu uma semana para que eu arrumasse um lugar.
O desespero outra vez tomou conta de mim, Pensei eu, é, o jeito é procurar o manco e a velha gaga, eu os procurei para pedir ajuda, mas para minha surpresa eles já me esperava também, pois quando eu comecei a desabafar e pedi para ali eu ficar, ele diz;
_ pode ficar o tempo que precisar, o seu quarto, já está arrumado.
Com o tempo, com a velha que eu pensava gaga, aprendi muitas coisas, aprendi gostar e ver o outro lado da vida, o manco, conquistou meu coração e me mostrou até quem eu era e eu mesma não sabia.
No máximo dois anos eu descobri que eu pelo manco, estava apaixonada, apaixonada não, amando loucamente.
Aos pouco mudei minha maneira de ser e pensar, descobri que a felicidade existe, que em certos momentos de nossa vida só depende de nós para sermos felizes.
A cada dia meu amor pelo manco, foi aumentando, e ele nada me dizia, até que eu mesma não aguentei esperar, e eu o confessei que o amava, foi o momento que, ele também se declaro, e diz, que isto ele deixo parti de mim, pois ele queria ter certeza de que me conquisto.
Hoje, somos casados e vivemos felizes, só me falta a mãe que perdi e nem posso agradecer pelo que ela me aconselhou, queria tanto ter mudado de uma maneira mais simples!

Autora; Maria silvania dos santos.
Silvania1974@oi.com.br
[/center][/center]


Open in new window

 
Autor
silvania1974
 
Texto
Data
Leituras
785
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.