Poemas : 

Necessidade

 
O que acontece depois daqui? - disse o pequeno garoto de olhos cintilantes ao seu grande Senhor.
E o tal Senhor, responde :
Há de vir uma inspiração, meu caro negrinho. Hoje, o barqueiro das emoções trará uma peça à esta tua juventude que carrega no coração.
O menino que carregava consigo uma atmosfera de pássaro, era levado pelas finas e machucadas pernas. Era uma cachoeira brava e violenta de sonhos, mas que, por fora, mais parecia um lago parado e sereno.
E nesta serenidade é que pairava o olhar daquele Senhor do século XVIII : Olhava triste e alegre ao mesmo tempo. Sabia que, pela linha tênue que separava a proteção dada pelos seus braços e o mundo ridículo lá fora, é que vagava a realidade que mataria aquele sonhador. Mataria. Palavra forte, mas real. Aliás, forte e real.
Decidiu, então o velho Senhor, que não deixaria seu amado sofrer e chorar no futuro.
Colocou a pobre criança na cama. Conversaram sobre o mundo e as estrelas. Ninou-a. Passou a mão pelos cabelos crespos do garoto. Enxugou as lágrimas. Levantou-se com passos cautelosos, e seguiu até seu quarto. Com a chave na mão, abriu a gaveta que guardava seus objetos pessoais e apunhalou um punhado de pano que enrolava algo.
De novo no quarto do garoto, sacou a garrucha, apontou pro triste futuro do negrinho e atirou. Atirou. Pelo sangue via escorrer suas futuras mágoas e dores.
Por doentio seu coração que chorava à época, usou a ultima e nada doce bala para enfeitar o fim do seu presente.

Há certas histórias e 'amanhãs' que é preciso serem cessadas para que o lindo horizonte perdure à eternidade.
 
Autor
Diogo.Gabriel
 
Texto
Data
Leituras
988
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 28/07/2013 12:59  Atualizado: 28/07/2013 12:59
 Re: Necessidade
Tudo que fazemos é a necessidade que obriga. Um poema que muito me tocou