https://www.poetris.com/
 
Contos : 

ABRA-ME A PORTA ATÉ O MEIO.

 

Abra-me a porta até o meio, e se puder sorria,
Não quero festa, busco apenas a recuperação da verdade,quando juntos pela ultima vez, imperou
A nossa obscuridade, não que eu pense em ti
Legitimamente, mas não consigo desviar-te
Das minhas rotas de colisões intempestivas,
E justamente neste tópico, preciso esclarecer,
Um “eu” ainda desconhecido de mim, um sujeito
De decisões abrutas, e nem sempre complacentes
Com a moralidade convencionada pela sociedade,
Mas tão somente tangido pelos desejos promíscuos, desta minha carnalidade exuberante,
E oprimida,nunca penso em tuas virtudes, e estas
Certamente existem, mas a minha devoção no que
Te concerne, se basta pelas poupas das tuas nádegas arredondadas, e de molejo inigualável, adentrando um tanto mais, sinto a textura áspera
Dos teus cacheados pelos púbis, e me embriago
No inconfundível odor do teu cio anunciado que
Antecede tuas regras menstruais, e estas pelo volume exacerbado que beira a um processo hemorrágico amarelam-te as faces antes rubras,
Mas nem um pouco menos encantadoras diante
Destes meus olhos insanos, e caçadores de libidinagens, e envergonhado por ser o meu ser
Um portador de tão pouca honradez, no que concerne ao bom senso amoroso, dispenso de
Ti a penalidade de te abrires por inteira à este
Abutre das insanidades afetivas, e gigolor dos
Desejos albergados neste teu frágil ser feminino,
Que sempre sonhou ter os teus encantos, e a tua
Serenidade resguardada por um homem capaz,
De te fazer a mágica transformação que o amor
Protagoniza, curvo-me diante de ti, em reverências, ao teu padecer, que não por minha
Culpa mas pela minha omissão hora se avoluma,
Diante do teu desengano confirmado e não mas
Apenas deduzido, até um dia talvez em outra
Dimensão quem sabe?.





Miguel Jacó

 
Autor
Migueljaco
 
Texto
Data
Leituras
700
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 02/11/2013 04:33  Atualizado: 02/11/2013 04:33
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16950
 Re: ABRA-ME A PORTA ATÉ O MEIO.
Miguel
Bela prosa! Ousado, forte! Gostei!
Janna

Enviado por Tópico
estojo-do-céu
Publicado: 02/11/2013 20:02  Atualizado: 02/11/2013 20:02
Da casa!
Usuário desde: 02/03/2013
Localidade: Portugal -Algarve
Mensagens: 441
 Re: ABRA-ME A PORTA ATÉ O MEIO.
Belo poema Poeta!
Parabens.
Mas se a porta não se abrir...siga em frente!
Abraço
Fernanda David

Enviado por Tópico
Asnoréctico
Publicado: 02/11/2013 22:23  Atualizado: 02/11/2013 22:23
Da casa!
Usuário desde: 12/06/2013
Localidade:
Mensagens: 283
 Re: ABRA-ME A PORTA ATÉ O MEIO.
Escreve muito bem, apesar das palavras ganharem sal grosso nas pálpebras de quem as lê ….

Está de parabéns, pela sua riqueza de vocabulário, e por não ser mais um poeta robotizado que escreve, as mesmas palavras sobre os mesmos temas …

Um abraço.

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 02/11/2013 23:36  Atualizado: 02/11/2013 23:36
Luso de Ouro
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - Brasil
Mensagens: 5320
 Re: ABRA-ME A PORTA ATÉ O MEIO.
me surpreendi com sua nova linha poetica, Miguel. Gostei de ler.

bjos.