https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Sociais : 

Rejeição...

 
Tags:  dor    tristeza    desilusão    desamor  
 
Rejeição...
 
Diga-nos se para viver...
Não é um martírio?
A luta inicia-se no ventre
Quando na corrida...
Desesperadora para sobreviver!

Sim. Parece estar numa guerra.
Após a explosão do ápice...
Da paixão, ilusão e, ou amor;
Num salve-se quem puder!...
Nessa hora chegada chega o mais forte!

(Pensar?...)
Que pensa estar seguro,
Numa fonte inesgotável – por que
O amor de uma verdadeira mãe...
É imensurável – não cabem desilusões
E sim o amor das entranhas sem façanha!

Porque ao conceber algo majestoso,
Grandioso invade seu ser, e proteger,
Zelar, acarinhar, conversar com aquele
Ser tão pequenino e indefeso é o que lhe apraz...
Embalada de sonho, esperança e confiança!

Mas nem todas são assim: por não pensarem
Nas consequências do ato impensado não veem
Quão grandioso é o poder da obra perfeita
Das mãos de Deus quando na evolução,
Crescimento de um ser dentro de outro ser!

E passam a rejeitar, perseguir ofender por
Estarem cegas pelo ódio sacrificando um
Anjo inocente – aquele que pensava estar
Num lugar seguro e que seria cercado de
Carinho quando na verdade é um horror!

... Começa o desespero um soluçar constante
Chorando, lutando, mas quem...? Quem poderia
Ajudar se sua mãe o mata aos poucos sem se quer
Pensar que um ser luta para viver dentro de um casulo
Que espera nascer como uma borboleta no tempo
Determinado mas não é assim: sua sorte caminha para morte!

Ele (o feto)...
Não acredita na barbárie que escuta
Daquela que ele já ama – torre forte...
Seu porto seguro... Sonhando com o dia
Que olharia nos seus olhos, que se alimentaria...
Do seu néctar ao sugar no seu colo, que receberia...
Um abraço gostoso acompanhado de um beijo
– Quando então ouviria eu te amo filho (a)!

Mas seu grito de socorro ninguém escuta.
E Deus permite tirando – o do seio daquela que
Não poderia ser dona de um tesouro...
Ele o acolhe em seus braços aonde não haverá
Mais dor nem sofrimento.

Quando então seu coração arfante...
Fenecendo... Fenecendo...
Sai do mais profundo abismo
Na hora do último suspiro para o paraíso!



Mary Jun

 
Autor
Maryjun
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1075
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
12
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 12/05/2015 11:52  Atualizado: 12/05/2015 11:52
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12488
 Re: Rejeição...
Aplaudo! Um grito para o mundo, o Céu e um penar na terra por consequência. Muito belo e um grande beijinho Vólena


Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 12/05/2015 15:34  Atualizado: 12/05/2015 15:34
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9252
 Re: Rejeição...
Bom dia Mary, teus versos enredam com primazia, a verdadeira guerra que a vida requer desde o momento da fecundação, até o suspiro final, seja ainda na gestação, ou nesta caminhada horrenda designada de vida, parabéns pelo redundante poema, um abraço, MJ.


Enviado por Tópico
BeatrizTrevisani
Publicado: 12/05/2015 23:02  Atualizado: 12/05/2015 23:02
Colaborador
Usuário desde: 10/06/2012
Localidade: Fortaleza-ce
Mensagens: 1480
 Re: Rejeição...
Uma boa reflexão poetisa,

Adorei!

Um grande beijo!


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/05/2015 02:14  Atualizado: 19/05/2015 02:14
 Re: Rejeição...
Bravo querida, poetizou muito, amei!


Enviado por Tópico
UMA MULHER UM POEMA
Publicado: 21/05/2015 19:43  Atualizado: 21/05/2015 19:43
Colaborador
Usuário desde: 26/04/2006
Localidade: São Paulo/SP
Mensagens: 2922
 Re: Rejeição...
Boa tarde, amiga MariJun!

Verdade escrita com brilhantismo em sua obra!

Apreciei a leitura! Parabéns sempre!

Um grande beijo!


Enviado por Tópico
Eureka
Publicado: 24/05/2015 12:24  Atualizado: 24/05/2015 12:24
Colaborador
Usuário desde: 02/10/2011
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4187
 Re: Rejeição...
Bom dia Mary Jun

Impossível ficar indiferente a uma poesia assim.
O tema, o desenrolar de todo ele em que emprestas teus sentimentos e dor para descrever o sofrimento de um ser indefeso que ainda não nasceu, e que nunca virá a nascer, a não ser para Deus nosso Senhor, é feito de forma tão real que doi ler, faz as lágrimas subirem aos olhos de quem lê esta tua poesia.

Magnifico o teu poema, que me deixou triste, mas ao mesmo tempo iluminada pelas tuas palavras riquissimas de verdade e sentimento. Só uma Mãe saberia escrever assim.

Parabéns Mary, adorei este teu poema.

Beijos mil em teu coração

Eureka