https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Tristeza : 

No fundo do abismo

 
Tags:  vida    solidão    tristeza    angústia    abismo  
 

No fundo do abismo me sentia
Quanto mais tentava sair
Mais no fundo caia
Não encontrava ninguém
Para segurar a minha mão
Desespero angustia e escuridão
Era tudo que a mente via
Perturbando meus pensamentos
Deixando-me na solidão
Ora ou outra me perguntava
Porque me sentia no fundo do abismo
Porque tudo é tão complicado
Porque ninguém se lembra de mim
Porque ninguém me tira daqui
Tantas perguntas, nenhuma resposta
Somente o silêncio desesperador
Daquele abismo sem chão que sentia
Que abrigava a minha alma
Tanto sofrimento em vão
De amor morria meu coração
Pétalas de rosa na escuridão
Desfolhando sem compaixão
Pingos d’água caindo de desolação
Pelo amor perdido no abismo da vida
Ah! Triste desolação

Open in new window


Open in new window
Obras registradas na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998
http://sabordapoesia.blogspot.com/
https://twit...

 
Autor
ângelaLugo
 
Texto
Data
Leituras
4104
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
32 pontos
22
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Junior A.
Publicado: 24/01/2008 13:40  Atualizado: 24/01/2008 13:40
Colaborador
Usuário desde: 22/02/2006
Localidade: Mg
Mensagens: 894
 Re: No fundo do abismo
Bem sabes o quanto me apetece poemas nostalgicos.
Abismo não é o que temos, é o que o amor malogrado nos deixa como recordação, até o dia em que a dor cessar de doer, as pétalas que ao chão caiam, se dão com as sementes e do abismo florescem cacos de esperança, que por tanto se juntar, tapam todo o vazio que nos deixaram.
Assi, o fundo se preenche de verdades, ainda que sofridas, se atenuam com as novas flores, e se eternizam no ser, que dado a quietude do passado descansado, já ama, e almeja no amor um novo futuro.

Mui bueno Poetisa.


Enviado por Tópico
Vera Sousa
Publicado: 24/01/2008 15:42  Atualizado: 24/01/2008 15:42
Membro de honra
Usuário desde: 04/10/2006
Localidade: Amadora
Mensagens: 4100
 Re: No fundo do abismo
Descreves muito bem o que se sente perante a perda...
Um bonito poema, triste, mas sem dúvida muito bonito!

Beijo


Enviado por Tópico
PaulaMartins
Publicado: 24/01/2008 18:43  Atualizado: 24/01/2008 18:43
Da casa!
Usuário desde: 01/11/2006
Localidade: Setúbal
Mensagens: 273
 Re: No fundo do abismo
Querida Angela,

Se é dor o que sentes
no abismo da desolação
ao ler-te também senti
triste o meu coração.

Embora seja um poema triste, a beleza da tua escrita continua a enriquecer esta nossa casa.
Beijinhos e tudo de bom para ti.
Paula Martins


Enviado por Tópico
Iolanda Brazão
Publicado: 24/01/2008 19:22  Atualizado: 24/01/2008 19:22
Da casa!
Usuário desde: 07/09/2007
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 366
 Re: No fundo do abismo
São fases da vida que por vezes temos de enfrentar...Mas é preciso ter esperança... Amanhã é um novo dia.Abra portas e janelas e deixe o SOL aquecer os seus dias.Nada dura para sempre.
Beijokas


Enviado por Tópico
MariaSousa
Publicado: 24/01/2008 21:26  Atualizado: 24/01/2008 21:26
Membro de honra
Usuário desde: 03/03/2007
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4096
 Re: No fundo do abismo
Um poema muito triste,Ângela. O abismo significa o fim da esperança

Espero que a Poetisa seja uma fingidora neste poema

Bjs


Enviado por Tópico
Tytta
Publicado: 25/01/2008 00:04  Atualizado: 25/01/2008 00:04
Colaborador
Usuário desde: 22/02/2007
Localidade: Portugal
Mensagens: 790
 Re: No fundo do abismo
Querida amiga Angela,
hoje apenas tenho a lhe dizer que AMEI em tudo o poema!
Jinhos, Tytta


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/01/2008 12:32  Atualizado: 25/01/2008 12:32
 Re: No fundo do abismo
Como entendo este poema minha querida amiga...

Depressão


Sucumbi, caí num poço sem fundo.
Sentia-me uma agonizante, à tona das águas profundas daquele sítio indistinto. Pedi socorro mas o silêncio maculava os ecos do meu pedido de aflição, dentro da minha própria surdez.
Não sabia se ali, ia permanecer e afogar-me na minha própria amência sóbria ou segurar uma pequena corda que ainda me restava de esperança.
A incógnita percorria o meu limite e a minha respiração enfraquecia.
Só eu poderia sair dali, combater a minha mente hostilizada, que já não dependia de mais nada. Fui segurando a corda muito devagar com medo que ela não suportasse o peso da minha constrição.
Lá consegui sair daquele poço imundo e encarar que precisava de ajuda de alguém, que estivesse disposto a ouvir-me, sem me fazer perguntas.
Desde então comecei a contar os degraus que ia subindo muito devagar. Comecei a perceber que tudo poderia mudar se conseguisse juntar as peças do meu puzzle. Andavam todas soltas entre a boémia e a tristeza da minha própria obtusidade.
Nestes momentos o amor-próprio não existe, as incertezas pouco importam.
Só o reconhecimento nos pode salvar, quando gritamos:
- Eu preciso de ajuda!
Eu persisti, lutei, durante cinco anos para sarar as feridas que sangravam constantemente.
Estou aqui sã e salva pela minha inerente vontade, livre de um suicídio lento e doloroso.

Beijinho enorme

ConceiçãoB


Enviado por Tópico
gil de olive
Publicado: 25/01/2008 13:00  Atualizado: 25/01/2008 13:00
Colaborador
Usuário desde: 03/11/2007
Localidade: Campos do Jordão SP BR
Mensagens: 5046
 Re: No fundo do abismo
Descreveu muito bem sobre um mal que infelizmente tenho convivio diário.Aplausos.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/01/2008 02:15  Atualizado: 26/01/2008 02:18
 Analise do poema No fundo do abismo p Angela Lugo
"No fundo do abismo me sentia
Quanto mais tentava sair
Mais no fundo caia"
(Angela Lugo).

Através dessa imagem poética, trazes o teu poema, de pungência, de conteúdo quase dramático, mas sempre doce a extravasar os teus versos.
Sem dúvida, através de sugestões de ordem sequenciais, dissestes corajosamente palavras de profunda ressonancia:

"Porque me sentia no fundo do abismo
Porque tudo é tão complicado
Porque ninguém se lembra de mim
Porque ninguém me tira daqui"

Assim, sempre através de palavras telúricas, seu poema se faz interessante do início ao fim. Parabéns pela obra, essa vai para a sua antologia.
Beijos e saudações de Godi.


Enviado por Tópico
Zélia Nicolodi
Publicado: 26/01/2008 02:22  Atualizado: 26/01/2008 02:22
Colaborador
Usuário desde: 18/01/2008
Localidade: Curitiba - PR.
Mensagens: 983
 Re: No fundo do abismo
Na verdade, querida poetisa...Ninguém pode nos tirar da tristeza, senão nós mesmos...Por vezes, nos enganamos em ilusórias ajudas mas, logo há de se perceber que são bem impermanentes! Nós somos a nossa única e efetiva ajuda...Beijos no seu coração e fique bem!


Enviado por Tópico
Paloma Stella
Publicado: 26/01/2008 04:42  Atualizado: 26/01/2008 04:42
Colaborador
Usuário desde: 23/07/2006
Localidade: Barueri - SP
Mensagens: 3514
 Re: No fundo do abismo
Senti tantas coisas queria Angela ao ler-te.
A solidão muito que se faz parte de minha vida.
E nela eu sempre enterro minhas esperanças.
Porém, é com ela que crio forças.

Beijinhos