https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Carta aos meus antepassados da era da pedra

 
Eu fico pensando nos meus antepassados
E imaginando como deveria ser
Ter de caçar meu próprio alimento
E morar dentro de uma caverna para sobreviver

Dependendo do fogo para me aquecer
Cercado de animais peçonhentos e feras
Sobre a mira de vulcões e tempestades
O instinto selvagem era que reinava na era da pedra

E hoje nos encontramos aqui!
Somos filhos bastardos da tecnologia
Muitos dependendo dos comprimidos farmacêuticos
Para prolongar a nossa vida vazia

E o mundo virou uma grande selva de pedra
E a selva se transformou num genocídio coletivo
As feras são invisíveis e moram dentro da gente
E a raça humana virou seu próprio inimigo!

Um abraço coletivo!
Samuel
22/08/2014


 
Autor
samuelk7
Autor
 
Texto
Data
Leituras
813
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
5
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 24/08/2014 17:50  Atualizado: 24/08/2014 17:50
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9268
 Re: Carta aos meus antepassados da era da pedra
Boa tarde Samuel, quanto mais se avança tecnologicamente, mas deprimidos vamos ficando, tem algo totalmente errado neste nosso progresso científico, parabéns pelo eloquente poema, um forte abraço, MJ.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 24/08/2014 18:18  Atualizado: 24/08/2014 18:18
 Re: Carta aos meus antepassados da era da pedra
As feras são invisíveis e moram dentro da gente.
É o contrário habitamos feras terríveis, que delas, buscamos escapar.


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 25/08/2014 00:09  Atualizado: 25/08/2014 00:09
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29228
 Re: Carta aos meus antepassados da era da pedra
Algo que vem do invisivel que os olhos sentem e essa relidade. Um silêncio vindo com os ventos trazido das selvas, que o vazio se tansfromam nesse mundo dependente ainda dos antepassados para ainda se viver onde os olhos se ferem.