https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Dedicatória : 

Barquinhos de Papel II

 
 


Open in new window


Sabes , meu doce amor ,
quando fui criança, a rua carregava em seus ombros
os belos rios que a chuva de Fevereiro
espalhava ao longo das alamedas povoadas de frondosas árvores,
na sua parte mais alta nascia o encanto duma viagem
construída pela imaginação de pequeninos Vasco´s da Gama
colocavam-se as canoas construídas com as folhas em branco
dos cadernos escolares
que num ápice venciam as ondas rasas,
enxurrada dos céus,que rolavam desenfreadamente pela calçada
eu desatava a correr , seguindo com dificuldade, a rota delas ,
até ao ponto em que o caudal estreito se alargava
formando uma enseada, espelho d água, onde todos os navegadores
paravam maravilhados, em contemplação!,
por haverem conquistado no meio da tempestade
a serenidade, a paz de espírito e a alegria
apenas ...
com um barquinho de papel ...




Luiz Sommerville Junior, 140220121014
in Távola de Estrelas

 
Autor
sommerville
 
Texto
Data
Leituras
2487
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
49 pontos
11
7
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
saraabreu
Publicado: 26/09/2014 21:22  Atualizado: 26/09/2014 21:22
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2014
Localidade:
Mensagens: 2423
 Re: Barquinhos de Papel II
Que lindo Sommer entre barquinhos de papel...ah apesar de ser mulher ainda me lembro de os fazer nos tempos de criança e como os fazia e os punha na água parada de um poço, ou de um lago entre águas das ribeirinhas da minha terra como eram fresquinhas provindas de nascentes diversas que corriam entre levadas cobertas de musgos, pinheirinhas, ervas aromáticas e como sonhava...ainda hoje sonho...

Belíssimo tema poeta, bem conseguido também.
vou favoritar pela grandeza explicita/escondida em simultâneo.
bj

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 26/09/2014 23:53  Atualizado: 26/09/2014 23:53
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29310
 Re: Barquinhos de Papel II
Pensamentos que se completam, de um algo do passado, que os momentos inocentes eram construído com amor vindo das purezas dos olhos aquele refletir, do verdadeira pureza vivenciada.

magnifico poema...Levo comigo

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 27/09/2014 07:15  Atualizado: 27/09/2014 07:15
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3687
 Re: Barquinhos de Papel II
"com um barquinho de papel" (de jornal) que também poderia ser um
chapéu de um ilustre guerreiro
ou um gajeiro subindo o mastro procurando terra "Terra à vista",
"no meio da tempestade"
e "todos os navegadores paravam... em contemplação",
enquanto "a rua carregava em seus ombros
os belos rios que a chuva de Fevereiro". Magnífico o teu regresso a quando foste criança. Parabéns Poeta Luiz. Obrigado.

Agradeço-te

Enviado por Tópico
MaryFioratti
Publicado: 27/09/2014 12:21  Atualizado: 27/09/2014 12:21
Colaborador
Usuário desde: 09/02/2014
Localidade:
Mensagens: 2400
 Re: Barquinhos de Papel II
Como sempre, Somerville, seus textos sempre
trazem aquela dose de profundidade e nos faz
pensar.
Lembro tao bem desses barquinhos de papel. E
como nos sentiamos poderosos...
Tantos sonhos de infancia eles carregavam.
E nao sabiamos que chegariamos ate aqui, fazendo
versos a eles.

Beijos meu amigo.

*Mary Fioratti*

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 27/09/2014 13:45  Atualizado: 27/09/2014 13:45
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: Barquinhos de Papel II P/sommervjlle
Que bom lembrar os barquinhos de papel, faziamo-los e sonhavamos. Também um dia os lembrei aqui. Gostei muito. Vólena

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/09/2014 17:51  Atualizado: 27/09/2014 17:51
 Re: Barquinhos de Papel II
uma viagem à infância num barquinho de versos que singra nas águas do olhar. muito bonito. parabéns, Jorge.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/09/2014 18:58  Atualizado: 27/09/2014 18:58
 Re: Barquinhos de Papel II
Meu amor, esse poema me traz à memória o menininho que conheci pelas suas palavras, o garotinho inteligente que recebeu uma carta de parabéns do pai por aprender a ver as horas sozinho e tão cedo - o encantado menino ganhou o seu primeiro relógio! Conheci muitos menininhos (em você), desde o apaixonado por relógios e livros, o menininho triste sem motivo aparente (talvez a sensibilidade ao percebor o mau no mundo) e também o menininho inocente com seus barquinhos de papel...Cheio de sonhos, cheio de projetos, cheio de sorrisos!!!! Lindo poema, meu amor!!! E eu sei o quanto é difícil pra você nesse momento querer e não poder escrever por conta desse "entrave" na mão, mas sempre estarei aqui quando você precisar. Obrigada pela linda homenagem, obrigada por seu carinho, obrigada pela gentileza.

beijo
te amo!

Enviado por Tópico
DomingosdaMota
Publicado: 27/09/2014 22:15  Atualizado: 27/09/2014 22:15
Colaborador
Usuário desde: 15/05/2010
Localidade:
Mensagens: 838
 Re: Barquinhos de Papel II
Um belo poema!

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 28/09/2014 13:56  Atualizado: 28/09/2014 13:56
 Re: Barquinhos de Papel II
Ola gosto de dobrar qualquer papel a mão, e faço os barquinhos
Pura mania ou algum sonho guardado.
Gostei. De sua prosa. Prazer

Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 28/09/2014 23:56  Atualizado: 28/09/2014 23:56
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6741
 Re: Barquinhos de Papel II
Barquinho de papel
é pura magia e poesia.
Ainda hoje enche
o meu olhar
de menina que não cresceu.
abraços

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 29/09/2014 00:35  Atualizado: 29/09/2014 00:35
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15172
 Re: Barquinhos de Papel II
Ah, quantos que eu fiz sem saber! Depois aprendi as artimanhas, as dobras e quando se abria, Shazam! Lá estava meu barquinho de papel! Tinha um córrego na rua de minha casa e eu corria e ia até a cabeceira e deixava o meu barquinho de papel singrar aquelas águas, antes impolutas. E um dos primeiros livros que aprendi a ler se chamava "O Barquinho de Papel", isso ainda na pré-escola, ou primário, aos seis anos. Minha professora colocou uma bacia cheia de água e colocou anil, uma pedra que servia se alvejante para lavar roupas e que tornava a água azul. Nunca me esquecerei desse tempo. Obrigado pela sensibilidade. Obrigado por me trazer reminiscências tão longínquas e saborosas. Um abraço apertado que chegue aí, do outro lado, amigo poeta. VAleuuu, Summer!